Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

ONG teme que crise econômica abale metas de corte de CO2

WWF diz que empresas estão usando a crise como pretexto para combater os objetivos em dicussão na Europa

Associated Press,

03 de outubro de 2008 | 16h44

Preocupações com a desaceleração do crescimento econômico e a crise bancária nos Estados Unidos não deveriam enfraquecer a determinação da União Européia (UE) em cortar suas emissões de gases causadores do efeito estufa, disse o Fundo Mundial ad Natureza (WWF).   Na próxima terça-feira, 7, ao comitê de meio ambiente do Parlamento Europeu votará regras para a definição de metas nacionais para a redução das emissões de CO2. Os parlamentares também votarão leis para ampliar o sistema conjugado de limites de emissões e comércio de cotas de carbono, e para encorajar uma controversa tecnologia para captura e estocagem de CO2 gerado em usinas de eletricidade.   A conselheira do WWF Delia Villagrasa pediu que os legisladores da UE olhem para além dos "eventos econômicos do curto prazo" e considerem os custos de longo prazo de não agir contra o aquecimento global.   Ela disse que a crise econômica global "está sendo usada pela indústria como desculpa para não tomar medidas contra a mudança climática".   O WWF disse que a aprovação das propostas da UE sobre mudança climática seriam "a maior concessão possível", já que as medidas poderão ser diluídas mais tarde.   "O fracasso da 'superterça' será o fracasso da política climática européia", diz a ONG, em nota.   A UE quer apertar as regras do sistema de limites de emissão e comércio de cotas de carbono, que poderá impor taxas de até US$ 69 bilhões ao ano a grandes poluidores, como termoelétricas a carvão, siderúrgicas e produtores de cimento.   Essas companhias teriam de comprar autorizações para emitir dióxido de carbono - e poderiam vender as que não usassem. Empresários dizem que os novos custos poderão expulsar as empresas da Europa. Segundo o órgão executivo da UE, cortar as emissões de CO2 em 20% até 2020 custará a cada família da Europa US$ 4,17 por semana.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento globaleuropacarbonocrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.