ONGs avaliam gestão ambiental no Rio

Um grupo de organizações não-governamentais (ONGs) lançou hoje, no Rio de Janeiro, o Observatório de Políticas Ambientais, cujo objetivo é monitorar e influenciar a atuação no Rio de todas as instâncias responsáveis pela gestão ambiental. A primeira atividade do grupo foi a apresentação uma avaliação das políticas ambientais que vêm sendo aplicadas pelo Governo do Estado.?O PSB está deixando o Governo e o PT, da vice-governadora Benedita da Silva, assumirá o Estado pelos próximos noves meses. Queremos garantir uma agenda ambiental positiva para esse final de mandato, que não fique refém do processo eleitoral, e negociar uma agenda prioritária para a próxima gestão?, explica Samyra Crespo, coordenadora de Meio Ambiente do Instituto de Estudos da Religião (Iser), entidade que assume a secretaria-executiva do Observatório pelos primeiros seis meses.Segundo Samyra, esta é a primeira vez que os programas implementados pelo Governo estadual são submetidos a uma avaliação pública, a partir das recomendações da Agenda 21 (internacional e brasileira). Serão avaliadas as ações ligadas à Agenda Verde (proteção de áreas verdes e da biodiversidade), Agenda Azul (recursos hídricos) e Agenda Marrom (ações de saneamento ambiental e de combate à poluição industrial).?Existem uma série de políticas que estão dando certo e queremos a garantia de continuidade?, disse a coordenadora do Iser. Entre as ações, cita a descentralização da gestão ambiental no interior, a articulação com ONGs e universidades, a transparência no uso dos recursos e a gestão participativa, com a criação dos comitês de bacias hidrográficas. ?Não temos, porém, nenhuma garantia do funcionamento desses comitês?.As entidades que compõem o Observatório - Iser, Viva Rio, Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam), Instituto Baía de Guanabara (IBG), Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh), Grupo de Defesa Ecológica (Grude) e Centro Internacional de Desenvolvimento Sustentável (CIDS/FGV) - querem, ainda, a implementação das ações voltadas para implantação das unidades de conservação no Rio de Janeiro. ?Há vários parques estaduais criados somente no papel, como o do Desengano, no município de Santa Maria Madalena, e o da Pedra Branca, na zona oeste do Rio, que é o maior parque ambiental urbano do mundo, com área superior à do Parque Nacional da Tijuca?, disse Samyra.O Observatório de Políticas Ambientais ficará sediado a cada ano em uma das entidades filiadas e está aberto a entrada de outras organizações. ?Depois da Agenda 21, considero o Observatório a iniciativa mais arrojada para se fazer gestão participativa e transparente no Estado?, avalia a coordenadora do Iser.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.