ONGs taxam de 'fracasso' comunicado do G8 sobre efeito estufa

O Greenpeace Internacional disse que o G8 abdicou de 'sua responsabilidade' pereante a mudança climática

Efe,

08 de julho de 2008 | 14h03

As principais organizações ambientalistas descreveram como um "fracasso" o comunicado conjunto sobre mudança climática emitido hoje pelo Grupo dos Oito (G8, os sete países mais industrializados e a Rússia), que apóia a meta de reduzir pela metade as emissões de CO2 para 2050.   Veja também Lula chega ao G8 para defender biocombustíveis e agricultura G8 pede diálogo para diminuir preço do petróleo Merkel destaca progressos do G8 sobre a mudança climática   O diretor da WWF Internacional, Kim Carstensen, assegurou à Agência Efe que a cúpula do G8 não conseguiu "tirar os Estados Unidos" de sua posição contrária a avançar na redução de gases que causam o efeito estufa.   Em sua opinião, "os EUA e o Canadá" foram os responsáveis por fazer com que o compromisso do G8 em Hokkaido (Japão) tenha sido "mais ou menos o mesmo" que o estipulado no ano passado.   Carstensen afirmou que agora a responsabilidade deve ser "assumida pela União Européia (UE)", junto com algumas das economias emergentes, já que para envolver os EUA será necessário "esperar pelo ano que vem", quando o sucessor de George W. Bush assumirá o poder.   O líder ecologista disse ainda que os verdadeiros avanços estão acontecendo em "nível nacional", já que países como Brasil, Índia e Japão anunciaram recentemente programas para combater a mudança climática dentro de suas próprias fronteiras.   O conselheiro político do Greenpeace Internacional, Daniel Mitler, disse à Agência Efe que o G8 abdicou de "sua responsabilidade" com o comunicado emitido hoje, já que esses oito países são os "causadores" da maior parte do problema da mudança climática no mundo.   Mitler descreveu a cúpula de Hokkaido como "um fracasso" e explicou que os objetivos a médio prazo criados pelo G8 se limitaram a oferecer uma "linguagem florida, e não ação".   Para o porta-voz da Oxfam Internacional, Antonio Hill, "com o ritmo atual" o mundo estará "cozido" em 2050, e o G8 terá sido "esquecido há tempos".   Em sua opinião, o anúncio dos países mais industrializados é uma "tática" para estagnar os esforços para combater a mudança climática, e não faz nada para "reduzir o risco que milhões de pessoas pobres enfrentam no mundo todo".

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento globalefeito estufaco2g8

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.