Ônibus espacial tem um minuto para decolar neste domingo

Sem conseguir consertar sensores, Nasa decide reduzir os riscos encurtando a viagem para a estação espacial

09 de dezembro de 2007 | 07h35

Ainda sob a ameaça potencial representada pelo comportamento errático dos sensores de combustível, a Nasa aumentou as restrições para o lançamento do ônibus espacial Atlantis e agora visa uma janela de lançamento de apenas um minuto, na tarde deste domingo, às 15h21, hora da Flórida (18h21, em Brasília).   Administradores da agência espacial esperam que as precauções extraordinárias mantenham o Atlantis e a tripulação de sete astronautas em segurança se a nave realmente decolar com o laboratório orbital Columbus, que deverá ser ligado à Estação Espacial Internacional (ISS).   No sábado, dois departamentos de engenharia da Nasa recomendaram adiar o vôo e realizar mais testes para determinar por que tantos sensores de comportaram mal durante a tentativa de lançamento realizada no sábado. Mas, no fim, não se opuseram ao plano de lançar a nave no domingo, disse o chefe da comissão de gerenciamento da missão, LeRoy Cain.   "Vamos encher o tanque e ver o que acontece", disse ele. "Se atingirmos os critérios, voaremos; se não, cancelamos e teremos um bom teste do tanque".   Sob as novas regras, a Nasa levará o lançamento adiante apenas se todos os quatro sensores do grande tanque de hidrogênio do Atlantis estiverem funcionando adequadamente. Dois deles falharam quando tanque foi abastecido para a tentativa de lançamento de quinta-feira, e um terceiro apresentou problemas mais tarde. A Nasa desistiu das janelas de lançamento de sexta e sábado por causa do problema, que vem surgindo com freqüência nos últimos dois anos.   Os sensores, chamados oficialmente sensores de corte de motor, são parte de um sistema para impedir que os motores da nave fiquem ligados tempo demais durante a ascensão à órbita. Se os motores continuarem ligados e o tanque estiver vazio por conta de um vazamento ou outro problema, pode ocorrer uma explosão.   Agora, a Nasa decidiu encurtar a janela de lançamento, dos  cinco minutos tradicionais para apenas um, a fim de lançar o Atlantis num caminho mais direto para a ISS, de forma a garantir uma sobra de combustível no tanque, caso haja problemas dos sensores.   Novos instrumentos vão monitorar os próprios sensores, para permitir que controladores de Vôo ou os próprios astronautas intervenham no caso de falhas múltiplas.

Tudo o que sabemos sobre:
espaçonasaissatlantiscolumbus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.