ONU adia por um ano discussão sobre tratado contra a clonagem

A Assembléia-Geral das Nações Unidas adiou por um ano qualquer discussão sobre um tratado global contra a clonagem humana, anulando, desta forma, a votação de seu comitê que propunha uma postergação por dois anos do assunto. A decisão, tomada nesta terça-feira sem votação, significa que o tema da proibição da clonagem humana será incluído na próxima sessão da assembléia, que começará em setembro do ano que vem.Diplomatas disseram que a Costa Rica pressionou de maneira intensa para que a Assembléia-Geral votasse sua proposta de resolução propondo a redação de um tratado que proibisse todo o tipo de clonagem. Mas a delegação do país centro-americano aceitou mais tarde uma postergação por um ano, quando percebeu que não contava com os votos suficientes.Existe um apoio quase universal entre os 191 Estados-membros da ONU para proibir a clonagem de seres humanos. No entanto, Costa Rica, Estados Unidos e outros 50 países, em sua maioria do Terceiro Mundo, desejam a proibição de todas as formas de clonagem que usem embriões humanos, uma posição apoiada pela Igreja Católica.Países como Grã-Bretanha, Rússia, China, Japão, Bélgica, França e Alemanha apóiam a proibição de clonagem de bebês, mas querem que cada nação decida por sua vontade se a clonagem poderá ser usada para pesquisas médicas e científicas.

Agencia Estado,

10 de dezembro de 2003 | 02h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.