ONU põe pílulas de reposição hormonal na lista de cancerígenos

A agência das Nações Unidas para o combate ao câncer colocou pílulas de reposição hormonal na lista de substâncias que podem causar câncer. Numa revisão das pesquisas científicas sobre o assunto, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer declarou que, com base em evidências consistentes surgidas ao longo dos últimos anos, a terapia hormonal para menopausa foi reclassificada de "potencialmente cancerígena" para "cancerígena".A declaração da agência, vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS) e vista como principal autoridades internacional sobre quais substâncias podem causar câncer, vem na esteira de diversos estudos ligando a terapia de reposição hormonal combinada ao câncer da mama.A análise, conduzida por um comitê de 21 cientistas, conclui que a terapia de menopausa à base de estrogênio e progestina também eleva um pouco o risco de câncer do endométrio, quando a progestina é tomada por menos de 10 dias ao mês.Pesquisas indicam que a chance de uma mulher desenvolver câncer de mama ao longo da vida é de uma em sete (14%). Um estudo usado na análise da agência da ONU sugere que o uso de hormônios por tempo prolongado aumenta esse risco para cerca de um em seis (16%).

Agencia Estado,

29 de julho de 2005 | 18h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.