<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Operação do Ibama protege a Amazônia

Até o final de dezembro será realizada a Operação Ponto do Abunã, na região de fronteira dos Estados do Amazonas, Acre e Rondônia. Iniciada há três semanas, a operação visa preservar a região amazônica contra queimadas, desmatamento, comércio ilegal de madeiras nobres, tráfico de animais silvestres e pedras preciosas, e até o trabalho escravo.O gerente executivo do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no Acre, Anselmo Forneck, explica que a operação faz parte do Plano Nacional de Combate ao Desmatamento e Queimadas e que os resultados têm sido positivos. "Nos anos anteriores havia operações tímidas. Agora, com a coordenação do Ibama dos três Estados envolvidos e a participação da Polícia Federal, do Exército, Sistema de Proteção da Amazônia e Procuradoria da República do Estado do Amazonas, temos conseguido evitar de 70% a 80% do desmatamento naquela área, em relação aos últimos dois anos", afirma Forneck. A maior parte dos recursos do Plano Nacional de Combate ao Desmatamento e Queimadas é destinada à regularização fundiária de terras da União, um dos fatores principais do desmatamento. A região escolhida para implantar a operação, segundo os coordenadores, é considerada área de difícil acesso e vulnerável. Ontem, o Exército participou da cobertura aérea da região. Desde o lançamento da operação Ponto do Abunã, em maio, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, foram apreendidos mais de 2 mil metros cúbicos de madeira, inúmeras motosserras, tratores e equipamentos. A dificuldade, de acordo com Forneck, tem sido prender os envolvidos, mas os ocupantes das terras pertencentes à União estão sendo investigados. Com a ajuda do Ministério do Trabalho e da Procuradoria da República, a operação também vem combatendo o trabalho escravo.O gerente executivo do Ibama no Acre destaca ainda a identificação de um grande número de estradas vicinais abertas pelos madeireiros e o desmatamento de terras por grileiros. "A região deve ter algo em torno de mil quilômetros de estradas abertas clandestinamente. Agora, com o monitoramento da área, tudo o que seja transportado nessas estradas irregularmente poderá ser apreendido", explica. As informações são da Radiobrás.

Agencia Estado,

20 de agosto de 2004 | 08h28

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 8,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 18,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
20, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.