Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Osso é criado nas costas e reimplantado na mandíbula

Depois de oito anos tomando sopas e cremes, um alemão de 56 anos fez a primeira refeição sólida neste mês: um sanduíche de salsicha, graças a uma técnica cirúrgica revolucionária. O homem havia sofrido a perda da mandíbula inferior por causa de um câncer. A equipe do médico Patrick Warnke, da Universidade de Kiel, no norte da Alemanha, cultivou nova mandíbula num músculo das costas do paciente e depois a reimplantou no rosto dele.A técnica é explicada na edição deste sábado da revista médica The Lancet. A partir de uma imagem em três dimensões do rosto do homem, foi fabricada uma estrutura de titânio cheia de fragmentos de ossos postos em cultivo e posteriormente transplantado no músculo dorsal. Sete semanas depois, o conjunto foi enxertado no rosto do paciente, com um fragmento de músculo, uma artéria e uma veia. Um mês mais tarde, ele estava em condições de mastigar alimentos. Segundo Warnke, a estrutura de titânio será retirada dentro de um ano e em seguida o osso da mandíbula será preparado para receber implantes dentários. Ainda serão realizados estudos para saber se o novo maxilar funcionará normalmente a longo prazo.Essa é a primeira vez que o próprio corpo de um paciente é usado para colocar tecidos ósseos em cultivo, dizem os responsáveis pela cirurgia, que se basearam em experiências realizadas em porcos. Em casos similares, os médicos trocam o osso extirpado por um pedaço de osso remodelado extraído, por exemplo, de uma perna. Mas no caso do alemão esse tipo de operação era contra-indicada por ele sofrer outros problemas de saúde. Os médicos também não quiseram usar ossos de plástico ou de outros materiais pois havia o risco de provocarem uma infecção.

Agencia Estado,

27 de agosto de 2004 | 22h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.