Padre diz que decisão do papa é 'natural' e bispo se diz surpreso com renúncia

Jovens católicos esperam que novo papa compareça à Jornada Mundial da Juventude, no Rio

Lauriberto Braga,

11 Fevereiro 2013 | 19h12

FORTALEZA - O pároco da Catedral Metropolitana de Fortaleza, padre Clairton Alexandrino, considerou a renúncia do papa Bento XVI como um fato natural dentro da Igreja, "uma vez que está previsto no Código Canônico". O pároco de Fortaleza já reza pela escolha de um novo papa "que dê seguimento à obra de Bento XVI". Padre Clairton acredita que Bento XVI renunciou "porque recebeu a voz do espírito santo e é este espírito santo que vai governar a Igreja até a escolha de um novo papa".

O bispo diocesano de Crato, dom Fernando Panico, disse que a renuncia do papa foi uma "surpresa, pois isso não acontecia há mais de seis séculos, mas a Igreja Católica tem que tem a paciência para escolher um novo papa que represente os anseios mundiais". Para dom Panico, o novo papa será cobrado com mais força para a reabilitação dos direitos católicos de Padre Cícero Romão, um processo que se arrasta desde o começo do pontificado de Bento XVI, em 2005.

Os jovens carismáticos católicos reunidos no retiro Renascer que reuniu no Carnaval em Fortaleza mais de 12 mil pessoas demonstraram confiança que o novo papa a ser escolhido pelo Vaticano compareça à Jornada Mundial da Juventude que se realizará em julho no Rio de Janeiro. Os carismáticos do movimento Shalom pretendem levar para o Rio 30 mil jovens cearenses.

Mais conteúdo sobre:
Bento XVirenúncia papa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.