Pai da ovelha Dolly pede para clonar embrião humano

O cientista britânico Ian Wilmut, criador da ovelha Dolly, o primeiro mamífero clonado de um animal adulto, entrou nesta terça-feira com pedido para clonar embriões humanos. Em sua jistificativa, Wilmut afirma que pretende estudar possíveis tratamentos para doenças neuro-musculares.O pesquisador pretende usar células de pacientes com estas doenças, hoje incuráveis, para produzir células-tronco e desenvolvê-las na forma de células neurais. O processo será comparado com o desenvolvimento de embriões saudáveis e Wilmut espera detectar as diferenças que levam às falhas na estrutura das células cerebrais envolvidas.Na clonagem, Wilmut introduzirá o núcleo das células dos pacientes em óvulos sem núcleo, produzindo um embrião com código genético dos doentes. Este procedimento é chamado clonagem terapêutica, porque o embrião não é gestado e tem suas células-tronco utilizadas ainda nos primeiros dias, no estágio de blastocisto.Wilmut, que liderou a equipe do Scotland´s Roslin Institute para criar Dolly, em 1996, deve enfrentar críticas dos grupos conservadores que se opõem a todo tipo de manipulação genética e coleta de células envolvendo embriões humanos.A Organização das Nações Unidas deve definir no próximo mês uma convenção internacional sobre clonagem humana, com forte pressão do governo de George W.Bush para que siga as diretrizes adotadas nos Estados Unidos, contrárias a toda forma de clonagem de embriões humanos.Os britânicos foram os primeiros a legalizar, em 2001, as pesquisas envolvendo clonagem, e recentemente as autoridades começaram a liberar licenças para estes experimentos.   leia mais sobre células-tronco

Agencia Estado,

28 de setembro de 2004 | 13h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.