Pai é julgado por rezar em vez de levar filha ao médico

Menina de 11 anos morreu de diabete, nos EUA, enquanto a família e amigos rezavam por sua saúde

Associated Press,

30 de julho de 2009 | 19h31

Um homem acusado de matar a filha, por ter ficado rezando em vez de levá-la ao médico, disse que não poderia ter procurado ajuda médica sem desobedecer a Deus.

 

Mãe é condenada por rezar em vez de levar a filha ao médico

 

Dale Neumann leu a Bíblia para o júri e disse que não buscou ajuda profissional para a menina porque "biblicamente, não vejo que esta seja a forma de curar pessoas". Ele acrescentou: "Se eu vou a um médico, estou pondo o médico à frente de Deus. Eu não estaria acreditando no que Ele disse que faria".

 

Neumann, de 47 anos, é acusado de homicídio por negligência na morte de sua filha de 11 anos, Madeline, que padeceu vítima de diabete. Promotores dizem que ele deveria ter levado a filha ao hospital. Antes de morrer, ela ficou incapaz de andar, falar ou comer.

 

Em vez de ser hospitalizada, Madeline ficou no chão da casa dos pais, cercada por pessoas que rezavam. Neumann, que estudou para ser ministro pentecostal, fez uma pregação ao júri sobre sua fé nos poderes de Deus.

 

A mulher de Neumann, Leilani, testemunhou que havia notado que a filha estava ficando fraca e bebia muita água - sintomas iniciais de diabete - cerca de duas semanas antes da morte. Leilani já foi condenada e pode receber uma sentença de até 25 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.