Países discutem estímulos tecnológicos contra o aquecimento

ONU pediu pacto de cooperação tecnológica entre os membros do G8 e países em desenvolvimento

Reuters,

22 de abril de 2009 | 16h49

Ministros do Meio Ambiente de nações ricas e pobres discutiram estímulos para a tecnologia verde nesta quarta-feira, 22, que ajudem a conter o aquecimento global e superar a crise econômica.

 

Veja também:

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

linkEquipe de Obama apoia lei contra emissões de CO2

linkAgência ambiental dos EUA decide que CO2 é perigo à saúde

linkGoverno Obama estuda opções radicais contra o efeito estufa

 

A reunião de três dias dos países do Grupo dos Oito (G-8) e das principais economias em desenvolvimento, inaugurada nesta quarta-feira, 22, na Sicília, tem sido saudada como o ponto de partida para um acordo sobre mudança climática patrocinado pela ONU, previsto para ser aprovado em dezembro em Copenhague.

 

Os Estados Unidos e outros países ricos precisam ser mais atuantes para ajudar a fechar um acordo histórico sobre mudança climática este ano, disse uma importante autoridade da Organização das Nações Unidas (ONU) em um encontro de ministros do Meio Ambiente.

 

Todos os olhos se voltaram para a delegação norte-americana, uma vez que o presidente Barack Obama prometeu reduzir as emissões de gases estufa dos EUA para os níveis de 1990 até 2020, injetando ânimo às negociações de Copenhague. Seu antecessor, George W. Bush, rejeito o Protocolo de Kyoto, que será substituído pelo novo acordo deste ano.

 

"Não é suficiente e os EUA precisam fazer mais," disse à Reuters Yvo de Boer, a principal autoridade da ONU para mudança climática. "Sem a liderança dos países do G8, não haverá uma resposta internacional à mudança climática. Esse encontro precisa mostrar o caminho."

 

De Boer pediu que a conferência aprove um pacto de cooperação tecnológica entre os membros do G8 e países em desenvolvimento. Ele disse que se encontraria com autoridades de países industrializados a fim de pressionar por dinheiro para ajudar a financiar a mudança tecnológica do mundo em desenvolvimento, uma das principais demandas dos países mais pobres do mundo.

 

Cientistas dizem que os países industrializados como um todo precisam reduzir as emissões de carbono para entre 24 e 40% dos níveis de 1990 a fim de evitar um impacto severo da mudança climática.

 

De Boer afirmou que existe vontade política para fechar um acordo em Copenhague e que a crise econômica dá a chance de promover a tecnologia verde como parte dos pacotes de estímulo - algo que países em desenvolvimento como China e Coreia fizeram, segundo ele.

 

O encontro do G8, inaugurado no Dia da Terra, reuniu pela primeira vez nove economias em desenvolvimento, incluindo Brasil, Índia e China, num esforço para pressionar por um consenso mundial.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.