Países europeus ficam sem vinho da Terra Santa para o Natal

Monastério Salesiano de Cremisán não conseguiu exportar sua produção devido a obstruções de Israel

Efe

04 de dezembro de 2008 | 16h31

Cinco países europeus ficaram sem vinho de Belém para suas missas de Natal. devido a obstruções impostas por Israel.  "Este ano não pudemos exportar nosso vinho a nenhum dos países europeus de que recebemos pedidos: Alemanha, Reino Unido, Irlanda, Itália, e Romênia", disse à Efe Amer Kardosh, diretor de exportação do Monastério Salesiano de Cremisán (em Belém), que produz o único vinho feito na Terra Santa.  Segundo Kardosh, há meses o exército israelense tem negado ou adiado as licenças para exportar o produto mais famoso, o vinho de missa, que tem um significado especial para o sacramento da comunhão durante as celebrações de Natal, como a tradicional Missa do Galo.  "Essa semana me comunicaram que nos deixaram entregar o vinho, mas era tarde demais para levá-lo à Europa", um processo que leva pelo menos um mês, explica o responsável, que disse se sentir satisfeito de poder pelo menos levar o vinho para as povoações cristãs de Israel, como Nazaré e Galiléia.  Desde o começo da segunda intifada, em 2000, Israel tem dificultado a saída da produção de vinho do Monastério, que produz desde 1985.  Sua adega tem grande demanda das comunidades cristãs tanto de Israel e dos territórios palestinos, como no exterior.

Tudo o que sabemos sobre:
religiãovinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.