Papa admite erro ao revogar excomunhões de bispos, diz jornal

Bento XVI escreveu carta explicando porque Williamson e outros lefebvrianos tiveram excomunhões revertidas

Efe e Reuters,

11 de março de 2009 | 14h39

O papa escreveu uma carta aos bispos católicos de todo o mundo explicando porque revogou a excomunhão de quatro bispos tradicionalistas, admitindo "erros" na gestão do caso e especificando que os lefebvrianos ainda não estão em comunhão com Roma, afirma o jornal italiano Il Foglio. Veja também: Perguntas e respostas: A polêmica do bispo que nega o Holocausto Vídeo: A polêmica entrevista do bispo WilliamsonBlog de Richard Williamson   Segundo o veículo, a carta será oficialmente divulgada em breve pelo Vaticano, provavelmente na quinta-feira, 12. De acordo com o Il Foglio, trata-se de uma carta "humilde e ao mesmo tempo forte", com a qual Bento XVI decidiu explicar pessoalmente ao episcopado católico sua decisão de readmitir os quatro bispos lefebvrianos, entre eles o inglês Richard Williamson, que negou o Holocausto judeu e foi expulso da Argentina. Na carta, escrita a mão, segundo o jornal, o Pontífice reconhece dois "equívocos" na gestão do caso. Segundo Bento XVI, a Santa Sé errou ao "não se dar conta" de que, através da internet, poderia ter tomado conhecimento das declarações de Williamson negando o Holocausto, "que se sobrepuseram de maneira imprevisível à reabilitação". Já o segundo "equívoco" diz respeito ao fato de a revogação das excomunhões não ter sido "suficientemente esclarecida". Em 21 de janeiro, a TV sueca Svt exibiu entrevista com Williamson, gravada em novembro na Alemanha, na qual o bispo negava que as câmaras de gás nazistas tivessem sido utilizadas para exterminar os judeus, e afirmou que o Holocausto causou a morte de centenas de milhares, não de milhões, de judeus. "Eu acredito que não existiram câmaras de gás", disse. Ele afirmou ainda que não mais que 300.000 judeus morreram em campos de concentração nazistas, em vez dos 6 milhões estimados por historiadores. A entrevista foi ao ar no mesmo dia em que o papa assinava o decreto revertendo a excomunhão dos bispos seguidores do ultraconservador Marcel Lefebvre. Agora, Williamson reconhece que "ao observar essas consequências, posso dizer verdadeiramente que lamento ter feito essas declarações, e se soubesse com antecedência todo o dano e as feridas que provocaram, especialmente à Igreja, mas também aos sobreviventes e entes queridos das vítimas da injustiça sob o Terceiro Reich, não as teria feito".

Tudo o que sabemos sobre:
Richard Williamson

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.