Papa afasta padre envolvido em falsas aparições de Maria

Seis meninos pastores, hoje adultos, afirmaram em 1981 que Maria tinha aparecido com Jesus nos braços

EFE,

28 de julho de 2009 | 16h28

O papa Bento XVI afastou do sacerdócio o padre Tomislav Vlasic, por ter promovido falsas aparições marianas em Medjugorje, no sul da Bósnia-Herzegovina, e pela suspeita de imoralidade sexual, informou a imprensa local.

 

O jornal Dnevni list, da cidade de Mostar, informou que Vlasic foi proibido de desempenhar qualquer tipo de atividade apostólica e de dar declarações sobre temas religiosos, sobretudo do "fenômeno de Medjugorje".

 

Ele também foi proibido de professar doutrina da fé e de oferecer conselhos espirituais, segundo a fonte, que cita uma carta dos dignatários franciscanos dirigida aos provinciais na Bósnia-Herzegovina, Croácia e Itália.

 

Vlasic supostamente é culpado de imoralidade sexual por ter engravidado uma freira e está sob suspeita de heresia, cisma, doutrinas suspeitas, manipular consciências, misticismo e desobediência às ordens legítimas.

 

Após ter se recusado a cooperar com a investigação, esteve confinado por um tempo a um mosteiro em L'Aquila (Itália), onde foi proibido de ter qualquer comunicação, inclusive com os advogados, sem o consentimento prévio dos superiores.

 

Desde que Maria supostamente apareceu em 1981 nos arredores de Medjugorje, a aldeia se transformou em um próspero ponto turístico visitado por milhões de peregrinos.

 

O Vaticano, no entanto, nunca reconheceu o "milagre".

 

Seis meninos pastores, hoje adultos, afirmaram então que Maria tinha aparecido com Jesus nos braços, segundo a versão dos franciscanos dessa zona, e desde então transmite mensagens periodicamente. Os videntes afirmaram que a mãe de Jesus apareceu 40 mil vezes em 28 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
vaticanopapamariaMedjugorje

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.