Papa Bento 16 diz que comunismo agiu como chuva ácida sobre a fé

O Papa Bento 16 elogiou os católicos alemães que se ativeram às suas crenças cristãs apesar da "chuva ácida" que corroeu a fé sob o nazismo e o comunismo.

PHILI, REUTERS

24 Setembro 2011 | 10h04

O pontífice rezou a missa neste sábado para cerca de 30 mil pessoas na praça principal medieval de sua cidade, antes parte da ex-Alemanha Oriental, onde somente cerca de 7 por cento dos cidadãos são católicos.

"Vocês tiveram que suportar primeiro uma ditadura marrom e depois uma vermelha, que agiram na fé cristã como chuva ácida," afirmou ele à multidão de seu altar, erguido em uma colina dominada pela catedral de Erfurt e outra igreja católica.

Cerca de duas horas antes da missa, um homem disparou uma arma de ar comprimido contra a equipe de segurança em um ponto de verificação em Erfurt, segundo a polícia. Detido no local, o homem não identificado disse aos policiais estar protestando contra as rígidas medidas de segurança.

A terceira viagem de Bento 16 à sua terra natal desde sua eleição em 2005 atraiu pequenas plateias e alguns protestos contra as posições da Igreja quanto ao casamento homossexual, o controle de natalidade e um escândalo de abuso sexual.

O pontífice de 84 anos saudou aqueles que mantiveram sua fé apesar das pressões dos regimes nazista e comunista, mas pareceu decepcionado por não ter havido um renascimento da fé desde a reunificação da Alemanha em 1990.

Mais conteúdo sobre:
PAPA FE COMUNISMO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.