Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

Papa Bento XVI volta a pedir ética nas relações econômicas

Pontífice afirmou que as nações devem agir com transparência e responsabilidade na era da globalização

ANSA,

10 Fevereiro 2010 | 14h06

O papa Bento XVI reiterou nesta quarta-feira, 10, que "a economia tem necessidade da ética", ao mesmo tempo em que recordou as milhares de pessoas afetadas pela crise financeira e os desequilíbrios econômicos.

 

Veja também:

linkPapa pede esforços das nações contra o desemprego

linkBento XVI nomeia novo bispo auxiliar para Curitiba  

 

Na audiência geral da manhã desta quarta-feira, o Pontífice retomou, assim, a reflexão de sua última encíclica, Caritas in Veritate (2009), na qual se dedicou principalmente à crise econômica mundial.

 

Além de afirmar que é necessária "uma ética amiga da pessoa" para o correto funcionamento da economia, em sua carta apostólica, Bento XVI também falava do "grande desafio" da era da globalização, de agir com transparência, honestidade, responsabilidade e ética.

 

Bento XVI dedicou a solenidade desta quarta-feira à figura de Santo Antônio - ou como também era conhecido Antônio de Pádua -, um dos santos mais populares da Igreja Católica, que nasceu em Lisboa em 1195 e faleceu em Pádua, na Itália, em 1231.

 

"Ele conhecia bem os defeitos da natureza humana, a nossa tendência a cair no pecado e, por isso, estimulava em suas pregações, o combate à inclinação à avidez, ao orgulho" e a praticar, por outro lado, as virtudes da "pobreza, a generosidade, a humildade, a obediência, a castidade e a pureza", explicou o Papa sobre o padroeiro dos pobres.

Mais conteúdo sobre:
papa Bento XVI economia etica

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.