Papa critica a falta de valores que invade o mundo juvenil

Bento XVI também disse que a crise econômica está ligada a uma crise 'estrutural, cultural e de valores'

Efe,

12 de janeiro de 2009 | 15h58

O papa Bento XVI expressou nesta segunda-feira, 12, sua discordância do niilismo que "invade de forma crescente" o mundo juvenil e da banalização dos valores naturais e cristãos pelo jovens, além de reiterar a necessidade de iniciativas "sérias para que este grupo compreenda o valor da vida".   O líder da Igreja Católica fez esta menção ao mundo juvenil no discurso que proferiu hoje aos governantes de Roma e da região do Lácio, aos quais recebeu no Vaticano para a tradicional troca de felicitações por causa do ano novo.   "Cada vez que a imprensa conta casos de violência juvenil, de acidentes de trânsito nos quais morrem tantos jovens, etc, me vem à mente o argumento de uma emergência educacional que exige a mais ampla colaboração possível", declarou.   O pontífice afirmou que os valores naturais e cristãos, "que dão significado ao viver diário e formam uma visão da vida aberta à esperança" estão se "enfraquecendo" cada vez mais e que, pelo contrário, surgem "desejos efêmeros e esperanças que não duram e que no final geram aborrecimento e fracassos".   O papa disse que todas estas tendências de banalizar o valor da vida e o refúgio na transgressão, na droga e no álcool se tornam "um rito rotineiro" dos fins de semana.   "Inclusive o amor corre o risco de se reduzir a uma simples coisa que pode ser comprada e vendida, e a própria pessoa se transformar em mercadoria", afirmou Bento XVI.   O papa acrescentou que diante do niilismo que "invade" de forma crescente o mundo juvenil, a Igreja encoraja todas as instituições a se dedicarem "seriamente" aos jovens, a não os deixarem a sua sorte e expostos a "escolas de professores ruins".   O pontífice defendeu "iniciativas sérias" que permitam aos jovens compreenderem o valor da vida "em uma família estável baseada no casamento".   Apenas desta forma é dado a eles a possibilidade de olharem com confiança para o futuro e fazerem projetos, concluiu.     Novo estilo de vida   O papa Bento XVI também disse que a "grave" crise econômica no mundo está ligada a uma crise "estrutural, cultural e de valores", e que só com um estilo de vida baseado na sobriedade, na solidariedade e na responsabilidade é possível construir uma sociedade mais justa e um futuro melhor.   O papa fez estas afirmações no discurso que dirigiu hoje ao chefe de Governo da região italiana do Lácio, Piero Marrazzo; ao prefeito de Roma, Gianni Alemanno, e o governante da província de Roma, Nicola Zingaretti, recebidos no Vaticano para a tradicional troca de felicitações pelo novo ano.   O pontífice afirmou que, para sair da crise, é necessário superar as divisões e delinear projetos estratégicos para os anos futuros, inspirados nos princípios e valores que fazem parte do patrimônio dos povos.   O papa ressaltou que é necessária uma sinergia entre todas as instituições para oferecer respostas às crescentes necessidades das pessoas.   "Penso nas famílias, especialmente naquelas com filhos pequenos que têm direito a um futuro tranquilo, e nos idosos, muitos dos quais vivem em solidão e em condições preocupantes. Penso na falta de casas, na falta de trabalho e no desemprego juvenil, e na não fácil convivência entre grupos étnicos, no grande problema da imigração e dos ciganos", disse.   Bento XVI disse que a obrigação do Estado é adotar as políticas sociais e econômicas, e, a da Igreja, é estimular a reflexão e a formação das consciências de todos os fiéis.   Segundo o papa, "nunca como agora a sociedade civil entende que só com estilos de vida inspirados na sobriedade, na solidariedade e na responsabilidade é possível construir uma sociedade mais justa e um futuro melhor para todos".   Bento XVI defendeu um estilo de vida "que reduza o individualismo e os interesses particulares em prol do bem de todos, prestando especial atenção às pessoas mais fracas, que não devem ser consideradas um peso, mas como um recurso que é preciso avaliar".

Tudo o que sabemos sobre:
religiãoBento XVI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.