Papa diz que anticoncepcionais negam objetivo do casamento

'A possibilidade de procriar faz parte da total entrega dos cônjuges', diz mensagem de Bento XVI

EFE,

03 de outubro de 2008 | 13h28

O papa afirmou que os anticoncepcionais negam o objetivo do casamento, que - segundo ele - é ter filhos, e assim se mostrou partidário dos métodos naturais "que permitem ao casal determinar os períodos de fertilidade".   Bento XVI afirmou isto na mensagem que enviou a um congresso realizado em Roma para comemorar o aniversário de 40 anos da promulgação, por Paulo VI, da encíclica Humanae Vitae.   "A possibilidade de procriar faz parte da total entrega dos cônjuges. Qualquer forma de amor tende a divulgar a plenitude com que se vive, e o amor conjugal tem um modo próprio de se comunicar, que é gerar filhos", declarou o pontífice.   Ele acrescentou que "excluir" esta dimensão "por meio de ações que impeçam a procriação significa negar a verdade íntima do amor conjugal".   A este respeito destacou o parágrafo da Humanae Vitae que diz: "Caso não queira se expor à mercê dos homens a missão de gerar a vida, deve-se reconhecer necessariamente limites - que não se podem evitar -, à possibilidade do domínio do homem sobre seu próprio corpo e suas funções, limite que nenhum homem - mesmo privado ou revestido de autoridade - pode infringir".   O pontífice afirmou que os filhos são um "dom, que é necessário acolher com responsabilidade generosa para com Deus".   O papa reconheceu que na vida de muitos casais há "graves" momentos que "aconselham distanciar o nascimento dos filhos ou inclusive suspendê-lo" e neste ponto defendeu o uso de métodos contraceptivos naturais.   "Nesse momento o conhecimento dos ritmos naturais da fertilidade da mulher é muito importante para a vida do casal. Estes métodos que permitem ao casal determinar os períodos de fertilidade lhe permitem administrar o que Deus inscreveu sabiamente na natureza humana, sem alterar o íntegro significado da entrega sexual", declarou o papa.   Além disso, o bispo de Roma "encorajou" os cientistas a prosseguirem suas pesquisas nesta área, "com o objetivo de evitar as causas da esterilidade, de forma que os casais estéreis possam procriar no respeito de sua dignidade pessoal e daquele que vai nascer".   Bento XVI criticou que muitas pessoas da sociedade atual, "entre eles muitos fiéis", tenham "tantas dificuldades" para entender a mensagem da Igreja, "que defende a beleza do amor conjugal em sua forma natural".      O papa destacou a obrigação de uma "paternidade responsável" e afirmou que a técnica "não pode substituir o amadurecimento da liberdade quando está em jogo o amor".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.