Papa diz que visita a sinagoga fomenta amizade e conciliação

Bento XVI visitará a sinagoga de Roma no domingo, onde fará um discurso e participará de uma inauguração

Ansa,

12 Janeiro 2010 | 15h26

O papa Bento XVI afirmou, por meio de um comunicado, que espera que sua visita à sinagoga de Roma, marcada para domingo, represente "uma etapa adiante no irrevogável caminho de conciliação e amizade" entre judeus e católicos.

 

Objeções à beatificação de papa serão consideradas

 

A mensagem foi transmitida em um telegrama enviado ao rabino chefe da capital italiana, Riccardo Di Segni, pelo secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone.

 

"O pontífice espera que a visita a esta comunidade faça crescer a fraternidade entre hebreus e católicos e constitua um passo adiante no irrevogável caminho de conciliação e amizade", diz o texto.

 

No domingo, segundo um comunicado divulgado pela Santa Sé, a visita do papa à sinagoga terá início com uma homenagem na lápide que recorda a deportação dos judeus de Roma, ocorrida no dia 16 de outubro de 1943, durante a Segunda Guerra.

 

Antes de adentrar o templo religioso, o papa também passará diante da lápide que lembra o atentado de 9 de outubro de 1982 contra a sinagoga, no qual uma criança morreu.

 

De acordo com o cronograma divulgado pelo Vaticano, Bento deverá chegar pouco antes das 16h30 (13h30 em Brasília) e será recebido pelo presidente da Comunidade Hebraica de Roma, Riccardo Pacifici, e pelo presidente das Comunidades Hebraicas italianas, Renzo Gattegna.

 

Após prestar homenagem aos deportados e diante da placa que recorda o atentado, aos pés da escada central que conduz à sinagoga, o papa será cumprimentado pelo rabino Di Segni.

 

Já no interior do templo, o pontífice discursará ao público presente. Em seguida, terá uma reunião particular com o rabino de Roma. Juntos, os dois visitarão ainda o jardim do templo e o Museu Hebraico, e inaugurarão uma exposição.

 

Por volta das 18h, está previsto que Bento XVI se encontre com representantes da comunidade judaica. O retorno ao Vaticano deve ocorrer meia hora mais tarde.

 

Paralelamente à visita do papa, terá início também no domingo em Roma a reunião anual da comissão mista para o diálogo judaico-católico, composta por representantes do Grão-Rabinato de Israel e da Igreja Católica. Os trabalhos do grupo seguirão até o dia 20.

Mais conteúdo sobre:
bento xvi judeus judaísmo vaticano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.