Papa espera 2013 de paz e condena capitalismo sem regras

O papa Bento 16 afirmou na sua mensagem de Ano Novo nesta terça-feira esperar que 2013 seja um ano de paz, e disse também que o mundo estava sob a ameaça de um capitalismo sem regras, do terrorismo e da criminalidade.

PHILI, Reuters

01 Janeiro 2013 | 12h57

O papa, de 85 anos, participou de uma missa na Basílica de São Pedro, no dia que a Igreja Católica celebra o Dia Mundial da Paz. No fim da missa, ele discursou para milhares de pessoas na Praça de São Pedro.

"Um novo ano é como uma viagem. Com a luz e a graça de Deus, pode ser o começo de um caminho de paz para cada pessoa, família, país, para o mundo inteiro", afirmou o papa da sua janela que dá para a praça.

Milhares de pessoas que haviam participado de uma passeata pela paz até o Vaticano soltaram balões azuis enquanto o papa falava.

Antes, no seu sermão, o líder da Igreja Católica falou da tensão e o conflito causados pela desigualdade entre ricos e pobres. Ele denunciou o "egoísmo" e o "individualismo", que se expressam no "capitalismo desregulado, várias formas de terrorismo e criminalidade".

Na sua mensagem para o Dia da Paz, o papa pediu um novo modelo econômico e regras éticas para o mercado, dizendo que a crise financeira global era prova de que o capitalismo não protege os mais fracos da sociedade.

Bento 16 se disse convencido da "vocação da humanidade para a paz", apesar dos muitos problemas. Segundo ele, uma relação pessoal com Deus pode ajudar com "a escuridão e a angústia", que às vezes caracterizam a existência humana.

Ele alertou sobre a insegurança alimentar e reafirmou a oposição da igreja ao casamento gay.

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAOPAPAMENSAGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.