Papa lembra violência contra judeus e cita atuação de Pio XII

O comportamento do papa Pio XII em relação ao Holocausto ainda causa controvérsia entre a Igreja e judeus

Ansa,

08 Outubro 2009 | 18h53

O papa Bento XVI lembrou a violência contra o povo judeu desencadeada pela Segunda Guerra Mundial, ao participar de um concerto que celebrou os 70 anos do início do conflito.

 

 

Papa saúda festas judaicas planeja visita a sinagoga de Roma

Passado do papa torna-se tema de visita a Israel

Jesuítas negam ter aberto arquivos sobre Pio XII

 

 Em um breve discurso feito no evento, intitulado "Jovens Contra a Guerra" e realizado no Vaticano, o pontífice disse esperar que o movimento ecumênico surgido daquele período contribua para a construção da paz, "operando junto com os judeus e todos os fiéis".

 

"A guerra, desejada pelo nazismo, atingiu muitas populações inocentes da Europa e de outros continentes", observou o líder católico.

 

Bento XVI recordou "o drama da Shoah [Holocausto], que feriu sobretudo o povo judeu, vítima de um extermínio programado". Além disso, destacou a atuação do papa Pio XII, que na época lançou um apelo "à racionalidade e à paz" e contra a guerra e o Holocausto.

 

"Aqui em Roma ressoou a aflita voz do meu venerado predecessor Pio XII", enfatizou Bento XVI, acrescentando que "ninguém, infelizmente, conseguiu parar aquela enorme catástrofe".

 

O papa lembrou assim a famosa mensagem enviada por Pio XII pelo rádio em 1939, pouco antes do início da guerra. "Prevaleceu a inexorável lógica do egoísmo e da violência", enfatizou.

 

O pontificado de Pio XII teve início em março de 1939 e foi encerrado em outubro de 1958, quando ele faleceu. Ainda hoje, sua atuação durante a Segunda Guerra, e o suposto silêncio que manteve ante a perseguição aos judeus, é motivo de intensas discussões.

 

Bento XVI afirmou ainda que "a Europa e o mundo inteiro têm sede de liberdade e paz", e que por isso "é preciso construir juntos a verdadeira civilização, que não seja baseada na força".

 

Segundo ele, esta civilização dever ser "fruto da vitória sobre nós mesmos, sobre as potências da injustiça, do egoísmo e do ódio, que podem chegar a desfigurar o homem".

Mais conteúdo sobre:
papavaticano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.