Papa pede a bispos austríacos fidelidade ao Vaticano 2º

O objetivo da reunião teria sido analisar a situação da igreja austríaca, que lançou várias críticas ao Vaticano

EFE,

16 de junho de 2009 | 16h20

O papa Bento XVI pediu aos bispos austríacos que sejam fiéis ao Concílio Vaticano 2º, ao magistério pós-conciliar e que se aprofundem na fé, informou a Santa Sé após o encontro de dois dias mantido pelo pontífice com prelados desse país. 

 

Papa Bento XVI recua em nomeação de bispo austríaco

 

O objetivo da reunião teria sido analisar a situação da igreja austríaca, que lançou várias críticas ao Vaticano nos últimos meses, principalmente após a revogação da excomunhão dos quatro bispos lefebvrianos e, principalmente, a nomeação do ultraconservador Gerhard Maria Wagner para o posto de bispo auxiliar de Linz.

 

O Vaticano informou que durante a reunião, "caracterizada por um forte afeto", analisaram-se "alguns temas sobre a diocese de Linz e da Igreja na Áustria".

 

As relações entre Roma e a igreja austríaca atravessaram momentos delicados, por conta das duras críticas da hierarquia católica da Áustria a decisões recentes do papa. O bipo Wagner, cuja nomeação par Linz foi o ato do Vaticano mais atacado,  levantou polêmica ao dizer que o personagem Harry Potter é "satânico" e afirmar que a homossexualidade é "uma doença que tem cura".

 

Essas declarações, e outras feitas em 2005, quando disse que o desastre causado pelo furacão Katrina na cidade de New Orleans (EUA) havia sido provocada por uma "contaminação espiritual" maior que a ambiental, atraíram ataques de lideranças políticas e religiosas.

 

As críticas cresceram de tal forma que Wagner pediu ao papa que o dispensasse da nomeação. Esse foi um desenlace sem precedentes, e que pôs em questão a credibilidade dos atos papais.

Tudo o que sabemos sobre:
vaticanopapabisposáustria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.