Papa pede fim da guerra antes que Síria se torne 'campo de ruínas'

O papa Bento 16 pediu nesta segunda-feira que a comunidade internacional acabe com o que ele chamou de interminável carnificina na Síria, antes que o país inteiro se torne um "campo de ruínas".

Reuters

07 de janeiro de 2013 | 09h40

O papa fez o apelo em termos particularmente fortes durante o discurso anual "O Estado do Mundo" para diplomatas autorizados junto ao Vaticano.

Ele disse que a Síria, onde a ONU estima que mais de 60.000 pessoas foram mortas, foi "despedaçada pela interminável carnificina e é palco de terrível sofrimento para a população civil".

Bento 16 pediu o "fim de um conflito que não conhecerá vitoriosos, mas apenas derrotados, caso continue, deixando para trás nada mais que um campo de ruínas".

O papa pediu que diplomatas de quase 180 países e organizações mundiais pressionem seus governos a fazerem tudo que for possível a fim de enfrentar esta "grave situação humanitária".

"Autoridades civis e políticas, antes de todas as outras, têm a grave responsabilidade de trabalhar pela paz", disse o papa aos enviados reunidos na Sala Regia do Palácio Apostólico do Vaticano.

"Eles são os primeiros a serem chamados para solucionar numerosos conflitos que causam derramamento de sangue em nossa família humana, começando com a região privilegiada por Deus, o Oriente Médio", disse em um discurso feito em francês.

O discurso do papa acontece um dia após o presidente sírio, Bashar al-Assad, ter rejeitado negociações de paz com seus inimigos em um discurso com tom desafiador, que seus opositores descreveram como uma renovada declaração de guerra.

(Reportagem de Philip Pullella)

Tudo o que sabemos sobre:
RELIGIAOPAPASIRIADIPLOMATAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.