Papa pede unidade a cristãos em meio a 'mundo dividido'

Pontífice também enviou mensagem aos fiéis da América Latina no 6º Encontro Mundial das Famílias

Ansa e Efe,

21 de janeiro de 2009 | 14h14

O papa Bento XVI afirmou nesta quarta-feira, 21, que diante de "um mundo cada vez mais dividido" é necessário "trabalhar e fazer todo o possível para que ocorra a unidade entre todos os discípulos de Cristo" e enviou uma mensagem especial a todos os fiéis da América Latina.   Durante a audiência geral desta quarta-feira, 21, dedicada à Semana da Oração pela Unidade dos Cristãos, que se encerra no próximo domingo, o Papa pediu aos cristãos "de todos os horizontes" que se empenhem pela unidade. "A unidade é acima de tudo um dom do Senhor", lembrou Bento XVI, segundo o qual "apenas saindo de nós em direção a Deus, somente na relação com Ele é que podemos nos tornar realmente unidos".   "Que o senhor apoie todas as famílias, para que nelas reine a fé viva, o respeito recíproco, o amor sincero e a mútua compreensão", disse ainda o Pontífice, saudando os fiéis vindos da América Latina, continente no qual foi concluído no último dia 18 o 6º Encontro Mundial das Famílias, ocorrido na Cidade do México. Bento XVI também convidou os fiéis a acompanhar "com orações fervorosas" os preparativos do próximo encontro, que será realizado em Milão em 2012.   A celebração ecumênica também foi marcada pela visita dos representantes do Hospital dos Peregrinos de Nápoles, aos quais o Papa exortou "prosseguir no empenho de levar a cura aos doentes, testemunhando constantemente a cultura da vida".   Na última segunda-feira, 19, em ocasião da visita de uma delegação ecumênica proveniente da Finlândia, Bento XVI havia exaltado os esforços realizados nos últimos anos para um maior diálogo entre cristãos e luteranos, principalmente após a assinatura da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação.   Tal documento, assinado em 31 de outubro de 1999, estabelece que as religiões católica e luterana professam a mesma doutrina sobre a justificação pela fé, ou seja, que a salvação do ser humano depende completamente da graça salvadora de Deus. Divergências sobre este ponto foram um dos motivos principais que levaram à Reforma Protestante no século XVI.   Trabalhar para a unidade   Bento XVI fez um apelo em prol da unidade dos cristãos e afirmou que é "urgente" trabalhar de todas as formas possíveis "para alcançar este objetivo indispensável".   O pontífice afirmou isto diante de milhares de fiéis que estavam na Sala Paulo XVI do Vaticano para a audiência pública das quartas-feiras, na qual lembrou que desde o último domingo a Igreja Católica celebra a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.   "A Semana de oração para a unidade dos cristãos nos oferece a oportunidade de pedir ao Senhor que prossiga e, se for possível, se intensifique o compromisso e o diálogo ecumênico", declarou o papa.   O líder da Igreja Católica afirmou que a unidade dos cristãos é um presente de Deus e que por isto, ao mesmo tempo que se trabalha para alcançá-la, é preciso orar incessantemente.

Tudo o que sabemos sobre:
Bento XVIreligiãoVaticano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.