Papa recomenda atenção a frustração econômica dos jovens

Os líderes políticos precisam enfrentar urgentemente a "crescente sensação de frustração" entre os jovens por causa do desemprego e da condição econômica global, a fim de assegurar a paz na sociedade, disse o papa Bento 16 nesta sexta-feira.

CATHERINE HORNBY, REUTERS

16 Dezembro 2011 | 17h02

Em mensagem por ocasião do Dia Mundial da Paz, celebrado pela Igreja Católica em 1º de janeiro, o papa disse que os jovens precisam de esperança e orientação, num momento em que sofrem para conseguir emprego e formar uma família.

"O ano que está terminando foi marcado por uma crescente sensação de frustração com a crise que paira sobre a sociedade, sobre o mercado mundial de trabalho e sobre a economia", afirmou.

"É importante que essa intranquilidade e que o idealismo subjacente recebam a devida atenção de todos os níveis da sociedade."

O ano de 2011 foi marcado por protestos no mundo todo contra a desigualdade econômica e a cobiça corporativa, e muitas dessas manifestações foram iniciadas por pessoas vitimadas pelo desemprego e pela alta dos custos educacionais.

A mensagem do papa é tradicionalmente enviada a líderes estrangeiros e a instituições internacionais, como a Organização das Nações Unidas.

Em outubro, o Vaticano já havia divulgado um documento propondo amplas reformas na economia mundial, e a criação de uma autoridade ética global para regulamentar os mercados financeiros.

"Parece que uma sombra caiu sobre a nossa época, impedindo-nos de vermos claramente a luz do dia", disse o papa.

O pontífice alertou que o foco excessivo nos lucros e bens materiais ameaça a dignidade humana, e propôs uma nova mobilização pela justiça social, como forma de aplacar os temores dos jovens.

Na entrevista coletiva em que apresentou o documento, o cardeal Peter Turkson, chefe do Departamento de Justiça e Paz do Vaticano, disse que a mensagem pontifícia se aplica também ao mundo árabe, onde várias das recentes rebeliões pró-democracia foram iniciadas por jovens.

"Certamente o desafio representado pelos jovens aos governos tem sido um aprendizado para muitos chefes de Estado da África", disse o cardeal ganense.

Na sua mensagem sobre a paz, Bento 16 disse que os jovens não devem ter medo de trabalhar arduamente e se comprometerem com um futuro melhor, e que podem inspirar as gerações mais antigas por meio dos seus esforços para superar a injustiça e a corrupção.

"Jovens, vocês são um dom precioso para a sociedade. Não cedam ao desânimo diante das dificuldades, e não se abandonem a falsas soluções que frequentemente parecem a forma mais fácil de superar os problemas."

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAO PAPA JOVENS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.