Paracetamol pode ajudar pacientes com derrame, diz estudo

Um grupo de pesquisadores holandeses informou na terça-feira que ministrar uma elevada dose de paracetamol a pacientes com acidente vascular cerebral (AVC) e alta temperatura do corpo aumenta as possibilidades de recuperação sem graves sequelas.

REUTERS

14 de abril de 2009 | 14h51

A descoberta sugere que o analgésico deve ser considerado como uma terapia barata e popular contra o derrame.

Uma temperatura corporal acima de 37 graus Celsius imediatamente após o derrame é reconhecidamente uma causa de piora no prognóstico, uma vez que cada grau a mais duplica a possibilidade de uma má recuperação.

Cerca de um terço dos pacientes com AVC apresenta temperaturas acima de 37,5 graus.

Uma dose diária de 6 gramas de paracetamol reduz a temperatura corpórea em 0,3 graus.

Médicos do Centro Médico da Universidade Erasmo de Roterdã realizaram um estudo com 1.400 pacientes no qual compararam os resultados de pacientes com AVC que tomaram o paracetamol com outros que receberam placebos.

Eles descobriram que 40 por cento dos pacientes com uma temperatura do corpo média de 37 a 39 graus apresentaram uma melhora acima do esperado.

Em artigo publicado na revista Lancet Neurology, Heleen den Hertog e seus colegas destacaram que os resultados precisam ser confirmados por um estudo mais amplo. Mas afirmaram que o paracetamol pode representar um tratamento simples, seguro e econômico contra o AVC.

(Reportagem de Ben Hirschler)

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIAPARACETAMOLDERRAME*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.