Paraty ganha plano de gestão ambiental

Candidata a Patrimônio Mundial da Humanidade, a cidade de Paraty, litoral do Rio de Janeiro, acaba de ganhar um documento de referência regional, que será utilizado para seu zoneamento ecológico e uso do território, com recomendações que englobam população, turismo, economia, entre outros. Elaborado pela Fundação SOS Mata Atlântica, em parceria com o Ibama, Instituto Estadual de Florestas (IEF) e Prefeitura, o Plano de Gestão Ambiental da Área de Proteção Ambiental (APA) Cairuçu e Reserva Ecológica de Juatinga acaba de ser concluído e está pronto para ser implantado.Para tanto, será assinado amanhã, na Igreja Santa Rita, no centro de Paraty, um termo de compromisso entre as instituições envolvidas, para a transformação do plano em decreto federal (APA Cairuçu), e estadual (Reserva Ecológica de Juatinga). ?O objetivo é transformar as recomendações do estudo em um documento legal. Com isso, os órgãos oficiais poderão agir para evitar as principais ameaças ambientais da região, que são a exploração predatória dos recursos naturais (principalmente o palmito juçara), pesca de arrastão, destruição de aterros de mangues, urbanização descontrolada de bairros rurais e zonas costeiras, abertura ilegal de estradas e lançamento de esgoto doméstico diretamente nos rios?, explica Márcia Hirota, diretora de projetos da SOS.Segundo Márcia, o Plano de Gestão é resultado de três anos de trabalho, com a participação de moradores de diversos bairros e praias do município, e agrega o conhecimento local das comunidades caiçara, indígena e quilombola, que habitam a região. O projeto custou R$ 550 mil e foi totalmente realizado com recursos privados, a maior parte - cerca de R$ 300 mil - financiada pelos moradores do Condomínio Laranjeiras, que fica dentro da APA Cairuçu.A dinâmica participativa do trabalho levou à inclusão no documento de regras adaptadas à realidade local, como a proibição da construção de muros e a manutenção obrigatória dos caminhos tradicionais nas vilas caiçaras, com estabelecimento de distância mínima entre as casas.Centro de InformaçõesLogo após a assinatura do termo de compromisso, será inaugurado o Centro de Informações Ambientais e Turísticas do Cairuçu, com a participação das comunidades e lideranças locais. Localizado no entroncamento da rodovia Rio-Santos, com acesso para Trindade, Laranjeiras, Praia do Sono e Ponta Negra, o Centro será um local onde moradores, visitantes, agentes de viagens e pesquisadores encontrarão referências sobre Paraty. /DivulgaçãoPlano será instrumento legal para preservação da região?O Centro será usado para atividades de capacitação das comunidades locais para o ecoturismo e o desenvolvimento sustentável. Além disso, servirá de base operacional para fiscalização ambiental do IEF e prefeitura?, diz Márcia Hirota. Servirá também como posto de informação e controle de acesso de turistas, além de base para monitoramento, informação, controle e fiscalização do fluxo de visitantes nas regiões de Trindade, Sono e Ponta Negra.A APA de Cairuçu é composta por mais de 60 ilhas e ilhotas, além da Reserva Ecológica de Juatinga e o Parque Nacional da Serra da Bocaina. Suas condições físicas - alta pluviosidade e um território que vai das planícies costeiras até picos de quase 1800 metros - permitiram a formação de ambientes de altíssima diversidade biológica, onde se encontram as maiores porcentagens de remanescentes de Mata Atlântica do Rio de Janeiro.

Agencia Estado,

22 de março de 2002 | 11h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.