Parque da Serra da Capivara dispensa funcionários

O Parque Nacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato (PI), quase fechou as portas nos últimos dias. Em mais uma crise orçamentária, os 214 funcionários foram dispensados por falta de dinheiro para os salários.A situação foi resolvida momentaneamente pela Casa Civil da Presidência da República, que em ofício prometeu recursos para manter o parque aberto por dois meses. O dinheiro pode sair da Petrobras, diz a diretora da Fundação Museu do Homem Americano (Fundham), Niède Guidon, co-gestora do parque.Niède já propôs à Casa Civil um consórcio de estatais que bancaria o gasto do parque (R$ 400 mil por mês), deixando de lado a dependência financeira do Ibama e do Ministério da Cultura (MinC). "Os dois não têm orçamentos estabelecidos para nós", diz. "O Ibama daqui não tem dinheiro nem para colocar combustível nos seus carros."A área foi tombada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1991 por conter alta concentração de desenhos rupestres. O status permitiu à Fumdham obter recursos internacionais para montar uma estrutura de visitação e conservação que poucos parques apresentam no País.Mas há intensa pressão de caçadores ilegais e de moradores da região que promovem queimadas.Em 2001, começaram os problemas financeiros e a busca por dinheiro nos órgãos federais, algumas vezes contingenciados. Em pelo menos duas ocasiões, 2003 e 2004, funcionários foram demitidos por falta de verba. O MinC admite que não tem dinheiro para regularizar a situação dos funcionários atualmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.