Parque do Tumucumaque tem 3,8 milhões de hectares

A maior unidade de conservação de florestas tropicais do planeta foi criada nesta quinta-feira pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, numa cerimônia, em Brasília, onde também foram anunciadas a regulamentação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) e a Política Nacional de Biodiversidade. O Parque Nacional das Montanhas do Tumucumaque tem 3,8 milhões de hectares, área equivalente ao território da Bélgica, e fica no Amapá, na fronteira com a Guiana. Ultrapassa, em cerca de 270 mil hectares, o parque que antes ocupava o primeiro lugar, o Salonga, localizado no Congo.O parque já nasce com amplo apoio técnico e financeiro da comunidade científica e de organizações não governamentais, que podem investir algo entre US$ 500 mil a US$ 1 milhão para elaboração do plano de manejo e capacitação de recursos humanos para o ecoturismo e a gestão ambiental, nos próximos 3 anos. Os recursos viriam do Fundo Global de Conservação, da Conservation International (CI), que também já realizou levantamentos de flora e fauna e estará dando suporte técnico para garantir que o parque não fique apenas no papel.?É uma oportunidade de criar competências locais, para garantir que a conservação se traduza em empregos, geração de renda e gestão ambiental no próprio estado do Amapá?, comenta José Maria Cardoso da Silva, da CI. ?O Brasil sai na frente, demonstrando a competitividade do País na conservação da biodiversidade?.Esta é a primeira unidade de conservação criada a partir das recomendações científicas do workshop "Áreas Prioritárias para a Conservação da Amazônia", realizado em 1999, em Macapá, com a presença de 226 dos maiores especialistas brasileiros e internacionais em flora e fauna da Amazônia. O parque situa-se no Escudo da Guiana, uma das 23 ecorregiões da Amazônia ainda sem unidades de conservação e muito pouco pesquisadas. Por isso, os dois institutos de pesquisa mais conceituados da Amazônia - o Museu Goeldi, com sede em Belém, e o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, de Manaus, ? já havia se oferecido para apoiar a implantação, mesmo antes de sua criação. Segundo dados da CI, a ecorregião das Guianas, na qual o parque se insere, é considerada uma das mais privilegiadas no planeta, por se encontrar quase 90% intacta e abrigar altíssimo número de espécies, com grande número de endemismos, isto é, espécies que só existem ali e em nenhuma outra parte do mundo. Existem pelo menos 20 mil espécies de plantas, com cerca de 35% de endemismos, o que coloca a área entre as três mais ricas do planeta, em Botânica. São estimadas cerca de 975 espécies de aves, 175 a mais do que todos os Estados Unidos e Canadá, juntos. Os mamíferos somam 282 espécies, com 27 endêmicas e algumas listadas no livro de ameaçadas de extinção como as onças pintadas e outros gatos menores. E há mais 280 espécies de répteis com 76 endêmicos; 272 anfíbios, com 127 endêmicos; e 2.200 espécies de peixes de água doce, com pelo menos 700 endêmicos. Além disso, a região é extremamente importante para os chamados serviços ambientais, como a conservação da qualidade da água (10 a 15% da água doce disponível do planeta); a regulação do clima regional e equilíbrio do oxigênio e gás carbônico atmosféricos. ?No workshop de áreas prioritárias, o Tumucumaque foi classificado como categoria A em diversidade de anfíbios e répteis e em serviços ambientais e categoria B em espécies aquáticas e botânica, tendo sido considerado de alta prioridade para a conservação, de modo que consideramos muito positiva esta decisão do Presidente da República de implementar as recomendações feitas na época?, diz João Paulo Capobianco, do Instituto Socioambiental, que coordenou o workshop de Macapá.Para a governadora do Amapá, Maria Dalva de Figueiredo, o parque coincide com a política estadual de preservação da biodiversidade e uso sustentável dos recursos naturais, além de ser visto como uma oportunidade de desenvolvimento. ?Apoiamos a criação desde o início, porque acreditamos no uso da biodiversidade de forma responsável, mas precisamos garantir também condições para uma vida saudável das populações do entorno do parque, com saneamento básico, tratamento adequado do lixo e acesso por estradas?, pondera. Ela negociou com o governo federal a pavimentação de estradas de acesso ao parque e melhorias de infra estrutura básica, para assegurar ?condições de desenvolvimento da atividade turística, com garantia de emprego e incentivo à permanência das pessoas nas comunidades?. O governo federal também deve ceder terras da União para o estado, como uma espécie de compensação, dada a extensão do território estadual agora transformada em unidade de conservação federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.