Reprodução
Reprodução

Pastor alemão cria personagens bíblicos com Playmobil

Fabricante dos bonecos não gostou da deformação dos brinquedos e pediu que o clérigo parasse

AP,

02 de abril de 2009 | 19h32

O pastor Markus Bomhard aprendeu que você não pode simplesmente crucificar um boneco e se safar. Por mais de dois anos, o clérigo alemão tem montado cenas bíblicas com bonecos Playmobil e tirado fotografias para ilustrar sua versão online da Bíblia. Mas ele recentemente recebeu sinais de descontentamento da fabricante dos brinquedos.

 

Os fabricantes dos pequenos bonecos de plástico, Zirndorf-based Geobra Brandstaetter GmbH & Co., acusaram Bomhard de infringir seus direitos de autorais e pediram que ele parasse de customizar os Playmobil e de usar a marca registrada em seu site.

 

Nesta quinta-feira, 2, no entanto, disseram estar dispostos a trabalhar com ele para encontrar uma maneira que ele possa manter seu site sem que ele viole os direitos da companhia. "Estamos trabalhando juntos para um compromisso", disse a porta-voz a companhia, Gisela Kupiak.

 

O pastor evangélico primeiro montou as cenas para suas três filhas e depois começou a postar as fotos online. Pouco depois ele postou uma nota do papa Bento XVI que o parabenizava por "facilitar o acesso à escritura de uma maneira divertida."

 

A Playmobil não é contra as cenas bíblicas por princípio. A companhia, na realidade, já oferece figuras religiosas como a arca de Noé e Jesus. O problema é a mutilação dos bonecos. "Nós verificamos uma massiva manipulação das figuras", disse a companhia. "Por exemplo, seus braços foram deformados para que pudessem ser pregados à cruz."

 

Bomhard reconhece a manipulação. Ele também diz que pintou as figuras de Adão e Eva pois a empresa não fabrica bonecos nus.

 

Foto: AP

 

Playmobil diz que só decidiu tomar uma decisão a respeito do site quando, pensando que a manipulação dos bonecos havia ido longe demais, acreditou que as imagens poderiam incentivar as crianças a fazerem o mesmo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.