Divulgação
Divulgação

Peixe-zebra pode substituir o rato como cobaia em testes científicos

Segundo pesquisadores da Universidade Federal de Lavras, animal aquático tem 71% dos genes semelhantes aos dos seres humanos e pode aumentar descobertas

Rene Moreira, Especial para o Estado

26 Julho 2016 | 11h49

FRANCA - Pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (Ufla) estudam a substituição do rato por peixe-zebra como cobaia em testes científicos. Eles dizem que o animal aquático tem 71% dos genes semelhantes aos dos seres humanos. A semelhança do material genético seria mais importante que a dos roedores, pois 85% dos genes do peixinho estão associados a causas de doenças no homem.

Na Ufla, os experimentos começaram em 2010, havendo uma ala de peixes em seu Biotério Central. Atualmente, as pesquisas na instituição com o peixe buscam gerar novos conhecimentos sobre alterações hormonais, alcoolismo, agrotoxicologia e ecotoxicologia.

No caso do estudo sobre o alcoolismo, por exemplo, a doutoranda em Genética da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Isadora Marques Paiva destacou sua importância. "Estima-se que em 2010, por exemplo, o uso de álcool foi responsável por mais de 2,5 milhões de mortes em todo o mundo."

Peixe-zebra. Também chamado zebrafish ou peixe paulistinha, o peixe-zebra é observado há mais de 30 anos no mundo todo e vem sendo estudado também no Brasil. Hoje, já são usados em alguns locais em pesquisas da área biomédica e nos estudos comportamentais, genéticos e toxicológicos. Depois dos roedores, já são os modelos animais mais utilizados para pesquisas experimentais.

O nome científico do peixe é Danio rerio e ele é de origem asiática, sendo o primeiro a ter o genoma totalmente sequenciado - foram 26 mil genes codificados. 

Mais conteúdo sobre:
Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.