Peixes amazônicos viajam até 5,5 mil km para desovar

As fêmeas da piramutaba e da dourada realizam a maior viagem conhecida de um peixe de água doce no mundo. Saem da foz do rio Amazonas, no litoral paraense para desovar e nadam 5.500 quilômetros até a cidade de Iquitos, no Peru. A viagem demora até seis meses, mas as larvas desovadas percorrem o caminho de volta em no máximo 20 dias, carregadas pela correnteza. Os dados são do estudo "Grande Bagres Migradores", realizado pelo Projeto Manejo dos Recursos Naturais da Várzea (ProVárzea/Ibama). Os resultados do estudo serão divulgados para as comunidades ribeirinhas por meio de cartilhas e de seminários. O objetivo é fazer com que a comunidade conheça melhor o ciclo de vida das espécies, que são as principais fontes de renda dos pescadores locais. Cerca de 30 mil toneladas dessas duas espécies são comercializadas por ano na região.O estudo do PróVárzea financiou a revisão da instrução normativa publicada em junho de 2004, válida por dois anos, e que regula a pesca da piramutaba no estuário do rio Amazonas. O PróVárzea está promovendo o seminário Políticas Públicas para a Calha do Solimões/Amazonas, em Parintins. Trata-se de um subprograma do Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG7), coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente e executado com verba da cooperação internacional. As informações são da Agência Brasil.

Agencia Estado,

31 de julho de 2005 | 14h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.