Pelo menos três abalos sísmicos atingem costa do Equador

O Instituto Geofísico da Escola Politécnica do Equador registrou ontem pelo menos três abalos sísmicos, de intensidade moderada, no Oceano Pacífico, a cerca de cem quilômetros da costa equatoriana. Nenhum tremor causou vítimas ou danos materiais. O mais forte, de 5,2 graus Richter, atingiu as localidades turísticas de Puerto López e Salango, bem como as cidades de Portoviejo, capital da província de Manabí, e Guayaquil, capital de Guayas. Na área onde ocorreram os tremores a placa geológica marinha de Nazca se choca com a plataforma continental sul-americana. Desde o dia 20 de janeiro foram registrados na região mais de 360 sismos com magnitude superior a 4 graus Richter. Os cientistas do Instituto Geofísico descartaram a possibilidade de os tremores provocarem um tsunami (onda gigante) semelhante ao que causou o maremoto que assolou o sudeste asiático em 26 de dezembro. Segundo os cientistas, esse tipo de fenômeno requer sismos com intensidade superior a 4,7 graus, além de outras condições oceanográficas. Os especialistas explicaram também que a placa sul-americana se move dois centímetros por ano em direção à placa de Nazca, provocando sismos em certas áreas do Pacífico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.