"Pequena sereia" peruana é operada com êxito

A menina Milagros Cerrón Arauco, de um ano de idade, vítima de um mal denominado "síndrome da sereia", foi submetida hoje com êxito a uma cirurgia de alto risco, que durou cerca de quatro horas, em que uma equipe de médicos peruanos, comandada pelo cirurgião Luis Rubio, separou as pernas dela, desde os calcanhares até a virilha. A cirurgia superou todas as expectativas. De acordo com o médico, nos próximos dois anos ela poderá começar a caminhar, embora tenha de ficar hospitalizada até completar 13 anos de idade, já que é preciso reconstruir seus aparelhos urinário, digestivo e genital. Dentro de oito meses será submetida a uma nova cirurgia.A menina faz parte de um grupo de apenas três pacientes que padecem desta deformidade no mundo. O médico disse ontem que a mãe da menina entrou em contato com inseticidas durante a gravidez por causa de seu trabalho no campo e considerou que "a pobreza e a desnutrição alteram os genes de geração em geração".Rubio explicou também que a deformidade afeta um em cada 70 mil nascidos e que a grande maioria das crianças portadoras da síndrome da sereia não alcança sete dias de vida. Milagros é filha de um casal de camponeses que vive na cidade andina de Huancayo (centro do Peru). A mãe, Sara Arauco, de 19 anos, nunca fez exame pré-natal, afirmou o médico. A menina foi submetida em fevereiro passado a uma operação para receber uma prótese de silicone entre as duas pernas, para esticar o tecido entre os calcanhares e o a parte inferior de suas extremidades.Segundo os especialistas que tratam da menina, a deformação pode causar lesões no coração, no rim, no estômago, no cérebro e na genitalia.Mas os exames confirmaram que a menina não tem nenhum órgão vital afetado, o que permitiu que continuasse viva. Por um aparelho de televisão, os pais de Milagros, Ricardo Cerron e Sara Arauco, presenciaram emocionados, juntamente com jornalistas peruanos e estrangeiros, a façanha da equipe do médico Luis Rubio.

Agencia Estado,

01 de junho de 2005 | 06h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.