Persiste o desmatamento na Mata Atlântica

Ambientalistas do Paraná e Santa Catarina denunciam que o desmatamento de espécies em extinção da Mata Atlântica, sobretudo das matas de araucárias, continua em ritmo acelerado e com a conivência do Ibama, apesar do corte e manejo dessas espécies estar proibido por lei e por liminar da Justiça. Em Prudentópolis, região centro-sul do Paraná, o Instituto Os Guardiões da Natureza (ING) flagraram, nesta semana, madeireiros retirando e transportando embuias centenárias de Área de Proteção Ambiental (APA), na Serra da Esperança. No início do mês, técnicos da Associação de Preservação do Meio Ambiente do Alto Vale do Itajaí (Apremavi) constataram, em Braço do Trombudo, Santa Catarina, a retirada de dezenas de espécimes de canela-preta de uma fazenda, onde o proprietário afirma ter plano de manejo autorizado pelo Ibama.?A Serra da Esperança é um dos poucos remanescentes de mata de araucárias, que hoje ocupam apenas 0,8% do Paraná. Apesar da colaboração da população, que vem denunciando os desmatamentos, as autoridades políticas não têm feito a sua parte. Em Prudentópolis, até meados de 2002, haviam 6 ou 8 tratores de esteira trabalhando, atualmente temos dezoito em operação. Na rua paralela à minha casa, todas as noites passam caminhões com toras de pinheiro tão grandes, e portanto tão antigas e históricas, que apenas uma tora é suficiente para fazer a carga do caminhão. Cerca de 800 m3 de imbuia já foram tirados da Serra da Esperança, em Serra das Pombas.?, disse Vânia Mara Moreira dos Santos, presidente do ING.Uma série de sobrevôos e visitas a campo realizadas pela Apremavi e pela Rede de ONGs da Mata Atlântica, no fim do ano passado, comprovaram a exploração madeireira nos principais remanescentes de floresta ombrófila mista (matas de araucárias) em Santa Catarina e no Paraná. A denúncia levou o Ministério do Meio Ambiente a editar portarias criando sete Áreas Sob Proteção Especial (Aspe) nos dois estados, com o objetivo de intensificar a fiscalização, até que as áreas fossem transformadas em unidades de conservação.?Apesar de termos uma boa interlocução com o Ministério do Meio Ambiente, não há nenhum retorno do Ibama, que continua não cumprindo a determinação legal?, disse Miriam Prochnow, da Rede de ONGs da Mata Atlântica. ?O momento é crítico, pois a floresta de araucária está praticamente extinta. De 7,5 milhões de hectares (ha), restou menos de 60 mil ha em bom estado de conservação. Tivemos nas últimas décadas o aniquilamento deste bioma, a despeito do rigor da lei. Na prática, o Estado não tem tido competência para fiscalizar e o setor madeireiro não tem interesse na conservação?, avalia Clóvis Borges, diretor executivo da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS).Para o ambientalista, somente uma política agressiva de conservação desses remanescentes - cerca de 500 áreas pequenas, de 50 a 150 ha - podem evitar o desaparecimento da ombrófila mista. ?Criação de unidades de conservação e compensação para os proprietários são medidas urgentes, que não podem esperar nem o próximo semestre?, diz Borges.Medidas emergenciais?Vamos anunciar nos próximos dias mudanças nas portarias das áreas sob proteção especial, que deverão trazer prazos para a criação das unidades de conservação e para a fiscalização emergencial?, disse o secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, João Paulo Capobianco. Durante um encontro, na última terça-feira, entre a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, os secretários de Meio Ambiente do Paraná, Luiz Eduardo Cheide, e de Santa Catarina, Bráulio Barbosa, e representantes do Ibama, prefeituras, ongs e comunidade científica, ficou decidida a criação de um grupo de trabalho, que deverá agilizar a criação das reservas e as estratégias regionais para a araucária. Segundo Capobianco, a reunião teve dois resultados práticos: ?o reconhecimento do mérito das portarias por todos os setores e ajustes na redação, para evitar problemas de interpretação?. A principal polêmica refere-se à proibição de plantio de espécies exóticas no interior e no entorno de dez quilômetros das áreas delimitadas. O novo texto limitará a suspensão a novos plantios ou expansão de reflorestamento com espécies exóticas?, viabilizando o plantio de outras culturas. Além disso, os estados deverão apresentar, até o final de abril, propostas de ação e de áreas para criação de reservas, que serão analisadas pelo grupo de trabalho no dia 13 de maio.As áreas destinadas a proteção especial, segundo as portarias já editadas são: Água Doce e Abelardo Luz (em Abelardo Luz) e Ponte Serrada (em Ponte Serrada e Passos Maia), em Santa Catarina; e, no Paraná, Tumeiras do Oeste (Tumeiras do Oeste e Cianorte), Candói (Candói), Palmas (Palmas) e Guarapuava (Guarapuava, Inácio Martins e Cruz Machado), a maior delas, com 120 mil ha.Veja a galeria Desmatamento de espécies em extinção da Mata Atlântica

Agencia Estado,

27 de março de 2003 | 17h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.