Pesquisa brasileira transforma plástico em ração

Um plástico biodegradável, que se decompõe rapidamente e pode ser utilizado como ração para animais, foi desenvolvido no Centro de Pesquisa em Tecnologia de Extrusão da Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A composição do novo material, batizado de amidoplast, tem amido de milho, gelatina e 50% de água. Segundo o pesquisador Leonard Sebio, que desenvolveu o projeto, o plástico comestível foi testado em laboratório e agora depende de estudos industriais para ser produzido comercialmente. O amidoplast, como foi patenteado, consumiu quatro anos de pesquisas. De acordo com Sebio, o material é mais barato que o convencional, porque utiliza amido de milho como matéria-prima. Por ser um pouco menos resistente que o plástico sintético, o produto é ideal para artefatos descartáveis, como pratos, copos, talheres e capas plásticas, que serão utilizados por pouco tempo e lançados no meio ambiente. O plástico comum leva centenas de anos para se decompor. O amidoplast, depois de usado, pode ser moído e servido como ração para peixes e gado, comentou Sebio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.