AFP
AFP

Pesquisa lê DNA de supercentenários atrás de causa da longevidade

17 pessoas com mais de 110 anos tiveram genes analisado; estudo, no entanto, não apontou elementos genéticos comuns no grupo

AFP

12 Novembro 2014 | 18h36

Cientistas norte-americanos anunciaram nesta quarta-feira, 12, que não encontraram "segredos" genéticos comuns em um grupo de 17 supercentenários - pessoas que viveram mais de 110 anos. No mundo todo, estima-se que existam 74 supercentenários.

"Nesta pequena amostra, os pesquisadores não conseguiram achar variantes genéticas raras que produzam proteínas capazes de explicar a longevidade", destaca o estudo dirigido por Hinco Gierman, da Universidade de Stanford, na Califórnia.

A pesquisa foi publicada na Plos One nesta terça-feira, 12.

Aqueles que vivem até os 100 anos ou mais têm menos probabilidades de contrair câncer - uma incidência de 19% durante suas vidas, contra 49% na população em geral -, segundo a informação anexa do estudo.

Os que vivem mais de um século também têm menor porcentagem de doenças cardiovasculares.

No mundo vivem 74 supercentenários, 22 deles nos Estados Unidos. Das 17 pessoas  com mais de 110 anos cujos genomas foram sequenciados, 14 eram de origem europeia, dois latinos e um afro-americano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.