Pesquisa oficial com célula-tronco entra em etapa clínica

Começa em três centros do País a etapa clínica do estudo financiado pelos Ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia para avaliar a eficácia do uso de células-tronco adultas no tratamento de doenças cardíacas.Os primeiros pacientes vão receber os transplantes nesta sexta-feira, no Instituto do Coração, em São Paulo, no Hospital Santa Isabel, em Salvador, e no Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras, no Rio.A pesquisa, a maior já realizada no mundo, vai acompanhar 1.200 pacientes cardíacos tratados em 33 instituições. Metade deles vai receber transplante de célula-tronco. O restante será submetido a tratamentos convencionais."Será um passo importante para o conhecimento. Estudos feitos até agora mostram que pacientes submetidos à terapia de célula-tronco têm um ganho de qualidade de vida significativo", afirma a diretora do Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Suzane Ferruya.Segundo ela, os ministérios querem investir de forma sistemática em pesquisas de saúde.EmbrionáriasAlém do estudo multicêntrico, as duas pastas lançaram um edital de R$ 50 milhões para pesquisas com células-tronco embrionárias. E agora um novo reforço é anunciado: oito novos editais, no valor de R$ 25,5 milhões."Queremos criar a mentalidade de que pesquisa também é atribuição da área de saúde."Nos editais, serão financiadas pesquisas em várias áreas - de saúde mental, hanseníase e saúde indígena até o impacto da pavimentação da BR-163 (Cuiabá- Santarém), na saúde e nos índices de violência."Escolhemos os temas de forma criteriosa. Há uma carência significativa de dados em saúde e só com pesquisa podemos contorná-la", diz Suzane.Outra linha deverá financiar estudos sobre de Economia em Saúde - o impacto causado por novas tecnologias, os custos em saúde, a análise das políticas de financiamento.   leia mais sobre células-tronco

Agencia Estado,

10 de junho de 2005 | 09h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.