Pesquisadores anunciam evidência de "superinfecção" de HIV

Existem provas crescentes de que a "superinfecção" de HIV - com mais de uma variedade do vírus atacando uma mesma pessoa - poderia ser mais comum do que se pensava, disseram especialistas durante uma conferência internacional sobre aids. Os pesquisadores, reunidos em Paris, sustentam que esses caos, nos quais as pessoas se infectam com uma classe de HIV e, depois de anos, com outra, provocam preocupação, porque a situação pode agravar o estado dos pacientes. Na conferência, os cientistas informaram sobre três novos casos da chamada "superinfecção" em pacientes que evoluíam bem sem tratamento com drogas e ficaram doentes depois de uma segunda infecção de HIV. "Isto significa que, embora uma pessoa possa reagir de maneira adequada a um vírus, o corpo não tem a capacidade para protegê-lo contra uma nova infecção. Então, a descoberta de uma vacina será mais difícil ainda", explicou o doutor Anthony Fauci, especialista em aids das Nações Unidas.

Agencia Estado,

14 de julho de 2003 | 19h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.