Pesquisadores argentinos caem em fenda na Antártida

Aumenta a preocupação quanto ao destino de dois pesquisadores argentinos que caíram em uma fenda de 30 metros de profundidade na Antártida no último sábado.Um avião de resgate foi enviado de Buenos Aires, mas as péssimas condições de tempo poderão dificultar seu pouso nas proximidades do local do acidente.O biólogo Augusto Thibaud, do Instituto Antártico Argentino, e o oficial da Marinha Teófilo Gonzalez iam à frente de um grupo de cinco que viajavam em snowmobiles, veículos especiais para a neve, da base militar uruguaia General Artigas, para a argentina de Jubany. Nenhum contato foi feito até o momento com os desaparecidos.Por causa da neve, não é fácil visualizar as fendas da geleira, e as condições de tempo também dificultam as buscas. Os outros três membros do grupo tentaram procurar os pesquisadores na cratera, mas não encontraram qualquer sinal deles.Inicialmente, eles se recusaram a embarcar em um helicóptero chileno enviado para os resgatar, alegando que desejavam continuar as buscas, mas acabaram sendo retirados do local no domingo.Cordas de 30 metros foram lançadas dentro da fenda, mas não alcançaram o fundo da cratera. Todas as tentativas de contatar os dois desaparecidos foram respondidas com silêncio.O ministro da Defesa da Argentina, José Pampuro, disse temer que a chance de encontrar Thibaud e Gonzalez vivos seja pequena.

Agencia Estado,

20 de setembro de 2005 | 09h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.