<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Pesquisadores de 6 países definem prioridades para Amazônia

Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) na região Norte e especialistas de organismos internacionais definiram em conjunto cinco grandes possibilidades para alavancar a agricultura familiar e promover o desenvolvimento sustentável na Amazônia: manejo florestal, plantio direto sobre a capoeira, mandioca, fruticultura e pecuária. Estas serão as prioridades de pesquisa de cientistas do Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela.Foi a primeira vez que órgãos de pesquisa de diferentes países juntaram seus pares para discutir assuntos de interesse para a Amazônia, explicou o pesquisador na Área de Fruticultura da Embrapa Rondônia, Adriano Stephan Nascente. O relatório das discussões ? feitas entre os dias 9 e 11 em Manaus ? será apresentado até maio à diretoria da Embrapa em Brasília, que deve ser responsável pelo gerenciamento de parcerias para a obtenção de financiamento.O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Ministério da Ciência e Tecnologia, o CNPq, a Finep, o Banco da Amazônia e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) são alguns dos potenciais financiadores de projetos conjuntos.As principais idéias discutidas pelos pesquisadores foram:Manejo florestal Monitoramento da dinâmica das florestas, identificação de espécies florestais, avaliação e seleção de espécies propícias para sistemas florestais e agroflorestais, estruturação de manejo comunitário e empresarial, reflorestamento de áreas devastadas e maior controle sobre a indicação de espécies para determinados fins.Plantio direto sobre a capoeira Substituir o tradicional processo de derruba e queima na Amazônia pelo corte e trituração da vegetação secundária. A capoeira triturada serve como fertilizante do solo, diminuindo o capim e a infestação de ervas invasoras.Mandioca Ensaios sobre práticas de manejo e qualidade do produto para mesa e indústria. Estudos de avaliação de germoplasma para obtenção de materiais como fonte de energia alternativa (produção de álcool) também serão realizados.Fruticultura Foram priorizadas as culturas do açaí, banana e cupuaçu para a Amazônia, onde se estruturará uma rede de pesquisa realizando o intercâmbio de material genético, desenvolvimento de tecnologias para manejo, colheita, pós-colheita e comercialização. Estudo da cadeia produtiva das culturas, desenvolvimento de novas tecnologias (como o aproveitamento do cupuaçu para a fabricação de cosméticos) e a preocupação com a qualidade do produto que chega ao consumidor serão aspectos prioritários.Pecuária Ensaios em rede; avaliação de gramíneas em relação à resistência a pragas e doenças, principalmente a cigarrinha-das-pastagens; quantificação das áreas na Amazônia ocupadas por pastagens (degradadas ou não); identificação de causas e mecanismos de degradação; avaliação de alternativas tecnológicas para a recuperação de pastagens degradadas; realização de sistemas silvipastoris e formulação de políticas públicas para o desenvolvimento da pecuária na Amazônia, oficializando sua exploração. A pecuária é hoje uma das mais importantes atividades sócio-econômicas da região e deve provocar menos impacto ao meio ambiente.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2004 | 14h59

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 8,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 18,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
20, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.