L. Adolfo/Estadão
L. Adolfo/Estadão

Pesquisadores descobrem fósseis de 90 milhões de anos em MG

Entre os achados inéditos nas escavações finalizadas nesta semana estão dois crocodilos pré-históricos e uma ninhada com quatro ovos

Rene Moreira, Especial para o Estado

01 Agosto 2014 | 15h23

ITURAMA - A equipe do Complexo Cultural e Científico de Peirópolis, ligado à Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), finalizou nesta semana as escavações na região de Iturama e Campina Verde, em Minas Gerais, nos sítios paleontológicos de Três Antas e Seis Irmãos. O trabalho rendeu descobertas inéditas e que devem resultar em importantes estudos científicos.

A expedição paleontológica é financiada pelo Ministério de Ciência e Tecnologia e destinada à coleta de fósseis. Entre as descobertas inéditas estão a de dois crocodilos e uma ninhada com quatro ovos. O principal desses achados é um crânio praticamente completo, além de vários elementos ósseos - como cauda e perna - do restante de um crocodilomorfo que viveu na região há cerca de 90 milhões de anos.

"Ainda que só tenhamos uma visão parcial do crânio, pelas dimensões de cerca de 45 centímetros, pode não ser de um Campinasuchus dinizi, um crocodilo descrito por nós há cerca de dois anos", explicou o geólogo Luiz Carlos Ribeiro. Este já está sendo considerado o maior crocodiliforme encontrado na região.

Foram localizados ainda microfósseis de ostracodes, que são crustáceos de água doce, além de fragmentos de peixes - escamas e ossos cranianos - e até de uma tartaruga. "Há uma grande possibilidade de comporem espécimes inéditos para a ciência. Com certeza, resultarão em artigos científicos, provavelmente em revistas internacionais", contou o pesquisador.

Exposição. Dos 10 membros da equipe que trabalharam nas escavações, nove são do Complexo de Peirópolis e um pertence ao Museu de Paleontologia de Monte Alto, no interior de São Paulo, que participa como convidado. Os fósseis descobertos serão preparados no laboratório para posterior identificação, estudo e publicação.

Identificados os espécimes e comprovado seu ineditismo, eles serão objeto de reconstrução paleoartística e depois disponibilizados em mostra pública no Museu dos Dinossauros, que fica no Complexo Cultural e Científico de Peirópolis, na zona rural de Uberaba, no Triângulo Mineiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.