Michael Probst/AP
Michael Probst/AP

Nasa encontra reservatórios de água em toda a superfície da Lua

Análise mostra que água congelada não está limitada às áreas mais escuras e congeladas do satélite, mas por toda parte

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2020 | 13h00

RIO - Cientistas conseguiram reunir as mais consistentes provas da existência de água na Lua – e ela seria relativamente acessível. A descoberta “inequívoca” tem implicações importantes para futuras missões ao satélite e, posteriormente, a Marte. Os dois estudos foram publicados nesta segunda-feira, 26, na revista Nature Astronomy.

Investigações anteriores já tinham reportado a presença de água na Lua, sobretudo nas proximidades do polo sul lunar, em locais muito frios e escuro. No entanto, essas detecções foram baseadas em observações que não são capazes de diferenciar a molécula de H2O propriamente dita de outros compostos de hidroxila (formados por oxigênio e hidrogênio) presentes em minerais. Outros estudos apontaram reservatórios subterrâneos inacessíveis.

Agora novas pesquisas indicaram a potencial presença de água congelada em toda a superfície da Lua, inclusive nas áreas claras e mais quentes. Uma dos trabalhos foi baseado em observações feitas no Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha (Sofia, na sigla em inglês), da Nasa. Trata-se de um Boeing 747 adaptado para carregar um telescópio capaz de fazer análises em comprimento de onda que oferecem resultados mais específicos. Desta forma, ele consegue detectar a ‘assinatura’ específica de H20 que não é compartilhada por outros compostos de hidrogênio e oxigênio.

Casey Honniball e colegas da Nasa descobriram que a água está presente em altas latitudes ao sul, num volume que seria de 100 a 400 partes por milhão. “É muita coisa”, afirmou Mahesh Anand, professor de ciência planetária e exploração da Universidade Aberta de Milton Keynes, em entrevista ao jornal britânico The Guardian. “É mais ou menos a mesma quantidade de água dissolvida na lava que jorra de vulcões submarinos na Terra e que poderia ser transformada em água líquida sob as devidas condições de temperatura e pressão.”

A presença de água tem implicações para futuras missões lunares porque poderia ser tratada e usada para beber, por exemplo. Separando o hidrogênio do oxigênio, por sua vez, poderia render combustível de foguetes. E o próprio oxigênio poderia ser usado para respirar. Essas condições tornariam bem mais fácil a instalação de uma base permanente na Lua, como planeja a Nasa, que também poderia servir de trampolim para Marte. “A água é uma comodity muito cara no espaço”, resumiu Anand.

Coletar essa água nas áreas de sombra da Lua, onde as temperaturas raramente estão acima dos 230 graus Celsius negativos, seria bastante complicado. “Mas se houver água nesta parte que não fica permanentemente nas sombras, que é potencialmente uma área bem grande, ela se torna mais acessível”, afirmou Ian Crawford, professor de ciência planetária e astrobiologia da Birkback, Universidade de Londres.

 


Algumas dúvidas persistem. Uma delas é sobre a forma em que essa água existe. Uma possibilidade é que ela esteja dissolvida no “vidro” lunar, criado quando meteoritos atingiram a superfície da Lua. Uma outra hipótese seria que essa água estaria distribuída no solo lunar na forma de pequeninos cristais de gelo. Nesse último caso, a extração seria bem mais fácil.

Uma outra questão ainda em aberto seria a profundidade desses depósitos. Se estiver restrita às camadas superiores do solo, a sua importância prática seria mínima, embora ainda levante questões interessantes sobre como ela teria chegado ali, nas palavras de Crawford.

A única maneira de descobrir isso, segundo os especialistas, é ir pra Lua e começar a cavar. Como já existe uma nova missão tripulada à Lua prevista para 2024, essa estratégia pode não estar muito distante. Cientistas britânicos também estão desenvolvendo um braço robótico capaz de recolher amostras do solo lunar de até um metro de profundidade, como parte de uma missão russa prevista para 2025.

Mas onde, exatamente, cavar? As áreas sob sombras ainda seriam a melhor aposta, uma vez que a água estaria mais protegida dos raios do Sol. O segundo estudo publicado na Nature Astronomy sugere que essas áreas mais promissoras podem ser mais numerosas e acessíveis do que se imaginava até agora.

Usando imagens da Lunar Reconnaissance Orbiter, Paul Hayne, da Universidade de Colorado em Boulder, e colegas conseguiram mapear a distribuição de pequenas crateras e calcular que aproximadamente 40 mil quilômetros quadrados da superfície lunar teriam capacidade de armazenar água.

No início deste mês, oito países assinaram uma série de acordos propostos pelo governo dos Estados Unidos para uma futura exploração da Lua e seus recursos naturais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.