Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Pesquisadores encontram 1º ninho de dinossauros já identificado no Brasil

Titanossauros colocaram seus ovos há 80 milhões de anos na região de Uberaba, no Triângulo Mineiro

Aline Reskalla, especial para o Estadão

07 de abril de 2022 | 10h00

Há 80 milhões de anos, dinossauros gigantes chegaram a Uberaba, no Triângulo Mineiro, num típico movimento migratório de preservação da espécie. Eles puseram seus ovos a 30 quilômetros do centro do município, onde hoje existe o bairro rural de Ponte Alta. Mas o local foi atingido por uma torrente de chuva, com muita lama e cascalho, e não houve como os ovos eclodirem.

A história foi reconstituída recentemente por pesquisadores da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), após encontrarem o primeiro ninho de dinossauros já identificado no Brasil. A conclusão dos trabalhos foi publicada no periódico Scientific Reports no dia 24 de março.

Os ovos têm 12 cm de diâmetro e são curiosamente pequenos perto do tamanho dos animais, que chegavam a 18 metros de comprimento, de acordo com o professor de geologia da UFTM, Luiz Carlos Borges Ribeiro. Ele disse ao Estadão que o achado surpreendeu a todos. “Esses ovos são provenientes de achados fortuitos, as pessoas acabam trazendo, não houve uma equipe de escavação.” Após alguns serem encontrados em uma área pertencente a uma mineradora, o colega do professor, o paleontologista João Ismael da Silva, localizou o ninho.

Eles reuniram, ao todo, 20 fósseis, cujas características foram comparadas com exemplares de outros locais do mundo, principalmente a Argentina. Concluiu-se, então, que os dinossauros que puseram os ovos são do grupo dos titanossauros, considerados os maiores animais terrestres de todos os tempos. Eles eram herbívoros e quadrúpedes, com o pescoço bastante comprido e a cabeça pequena.

O período em que habitaram a região de Uberaba é o Cretáceo Superior, entre 100,5 milhões e 66 milhões atrás. A morfologia das ninhadas e as observações das características sedimentares reforçam a hipótese de que esses saurópodes eram dinossauros nidificantes, como já foi sugerido para o grupo com base em outros locais de nidificação.

"A descoberta mostra o ambiente em que os dinossauros migravam, ajudando a descrever seus ecossistemas e revelando uma sazonalidade das manadas”, afirma Ribeiro. Segundo ele, assim como toda a região, o local encontrado era bastante favorável para a fossilização.

Como não houve uma equipe de escavação e a descoberta foi feita quase que aleatoriamente, o professor espera obter apoio para prosseguir com os estudos. Para os pesquisadores da UFTM, os ovos podem ser a ponta de um iceberg, ou melhor, de novos tesouros paleontológicos. “Se tem ninhada de dinossauro, deve ter embriões também. Filhotes nascidos, parte da mãe, que morreram ali. Gostaríamos de ver com olhar mais científico qual seria a real grandeza desses níveis de nidificação. Eles não estavam isolados, com certeza”, garante o professor.

Ele já solicitou à Agência Nacional de Mineração que atue como intermediária. O objetivo é obter autorização e apoio financeiro para fazer as escavações. “Somos uma universidade federal e um centro de pesquisas, temos pouco dinheiro”, diz ele. E, posteriormente, criar um geossítio das ninhadas de dinossauros. "Podemos colocar réplicas lá, vai fomentar o turismo e a criançada vai adorar”.

Criação de geoparque pode ganhar força

A expectativa dos pesquisadores é de que a descoberta do primeiro ninho de dinossauros do Brasil impulsione a criação de um geoparque na região de Uberaba, um projeto que começou a ser discutido há alguns anos, mas ainda não foi concretizado. O aval depende da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Os geoparques são territórios com importância científica, cultural, geológica, arqueológica e paleontológica. O projeto que será montado em Uberaba será o primeiro de Minas.

Desde que os primeiros vestígios fósseis foram descobertos na região, há 80 anos, a cidade tem um acervo com 3 mil espécies catalogadas, entre dinossauros herbívoros, carnívoros e crocodilos. "Já descrevemos 15 espécies novas únicas no mundo: quatro dinossauros, cinco crocodilos, três tartarugas, duas rãs e um lagarto. Quase todas achadas no entorno de Peirópolis”, conta o geólogo.

=Peirópolis é um bairro rural de Uberaba que concentra a maioria dos achados e abriga o Museu dos Dinossauros e o Centro de Pesquisas Paleontológicas Llewellyn Ivor Price. “Pretendemos enviar em junho a carta de intenção para a Unesco”, diz o professor Luiz Carlos Borges Ribeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Uberaba [MG]dinossauropaleontologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.