PF lança ofensiva contra a biopirataria

A Polícia Federal iniciou nesta terça-feira, no Ministério da Justiça, em Brasília, uma série de ações de combate aos crimes contra a natureza e o patrimônio histórico. Uma delas foi a criação de uma campanha contra o tráfico de animais e um cartaz bem-humorado, desenhado pelo cartunista Ziraldo. No Distrito Federal, foi inaugurada a primeira das 27 novas delegacias especializadas no meio ambiente e patrimônio histórico. Logo mais, às 15 horas, também no Ministério da Justiça, será anunciado o início em todo o País da chamada ´Operação Drake II´, que tem como objetivo combater a biopirataria.Nos últimos 30 dias, os policiais federais vêm aumentando as ações de combate aos crimes contra a natureza. Durante esse período, foram apreendidas duas toneladas de carne de jacaré, três mil ovos de tracajá - uma espécie de tartaruga -, cerca de uma tonelada de Tambaqui e 800 quilos em mantas de pirarucu. Uma das ações resultou, no mês passado, na prisão de um estrangeiro que tentava embarcar com 58 ovos de araras azuis presos ao redor da cintura, no Aeroporto Internacional dos Guararapes, em Pernambuco. Outro caso foi o de uma dona de casa detida no Rio de Janeiro que pretendia viajar com um mico de menos de 15 centímetros preso aos cabelos.Projeto DrakeA Polícia Federal esclarece que o objetivo principal do Projeto Drake é combater o tráfico internacional de espécies silvestres da fauna e da flora e sua variância: a biopirataria. As 27 novas delegacias contarão com agentes especializados nesta tarefa, ou seja, bloquear o furto da biodiversidade do País e materiais genéticos. O delegado Jorge Pontes informou que, não só a repressão, mas também a campanha educativa com cartazes espalhados pelos aeroportos já têm produzido efeitos inibidores nos criminosos. Os projetos serão apresentados à ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos e ao diretor-geral da PM, Paulo Lacerda, entre outras autoridades.

Agencia Estado,

02 de setembro de 2003 | 12h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.