Pfizer diz que Viagra não aumenta riscos de cegueira

O laboratório Pfizer, o maior fabricante mundial de medicamentos, afirmou que seus testes não confirmaram uma relação entre o uso do Viagra e o aumento do risco de cegueira. Mas informou que atualizará o rótulo do medicamento para que contenha informações sobre a incidência de uma séria doença ocular, conhecida como neuropatia ótica isquêmica não-arterítica (NAION), em alguns homens que usaram o medicamento.O comunicado da Pfizer foi divulgado na segunda-feira, antes de um relatório da rede de TV CBS News, que examinou quatro anos de dados da FDA (agência de controle de alimentos e medicamentos nos EUA) sobre complicações observadas entre usuários do Viagra.A análise descobriu 800 registros de problemas oculares, inclusive 140 casos de cegueira total ou parcial, informou a CBS.A Pfizer informou que sua própria análise não encontrou evidências de aumento do risco de cegueira entre as pessoas que tomam Viagra."Não há evidências de que o Viagra cause cegueira ou qualquer outro sério problema ocular", disse Joseph Feczko, gerente do departamento médico do Laboratório. "Os homens que tomam Viagra não correm maiores riscos de cegueira - inclusive perda de visão decorrente de NAION - do que os homens com mesma idade e condições de saúde que não tomam o remédio."Em relação à mudança do rótulo, o laboratório informou que acredita que a FDA solicitou que informações similares sejam incluídas nas embalagens de todos os medicamentos para disfunção erétil.

Agencia Estado,

28 de junho de 2005 | 12h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.