Pilotos se associam no combate a incêndios na Mantiqueira

Cansados de sobrevoar florestas e campos queimando, sem poder fazer muito mais do que reportar os incêndios, um grupo de pilotos de linhas aéreas comerciais fundou uma associação de combate voluntário ao fogo, chamada Combfogo. Baseados, por enquanto, em Atibaia, no interior de São Paulo, eles já têm 50 sócios, compraram um avião e definiram os 420 mil hectares da Área de Proteção Ambiental (APA) da Mantiqueira como zona prioritária de atuação. Também acertaram uma parceria com a Fundação Matutu, que há 10 anos treina brigadas de combate a incêndios na região, com ênfase nas comunidades localizadas no perímetro do Parque Estadual Serra do Papagaio e do Parque Nacional do Itatiaia, na tríplice divisa São Paulo-Rio de Janeiro-Minas Gerais. Através de permutas, os 37 integrantes da Matutu já treinaram mais de 300 brigadistas, igualmente voluntários, tendo recebido equipamentos e roupas apropriadas de um projeto do Ministério do Meio Ambiente (MMA), que pretendem ampliar até cobrir todo o perímetro da APA.O Combfogo estará a postos a partir de maio-junho, quando começa a estação seca de 2004, provavelmente num aeroporto mais próximo da área de atuação. Até procura novos parceiros para montar um sistema de alerta eficiente, além de mais sócios e voluntários, para assegurar a continuidade do trabalho e autonomia financeira. "Vamos trabalhar com ´bombas d´água´, isto é, recipientes de polietileno, de 18 a 20 litros, cheios de água, jogados do avião sobre os focos de incêndio", explica João Luiz Fioravanti, um dos pilotos fundadores da associação. "O piloto sobe com um lançador e cerca de 400 kg - ou seja, 20 bombas de 20 litros cada - e pode ir e voltar diversas vezes, ficando em solo apenas o tempo suficientes para recarregar".O lançamento das ?bombas? é complementar ao trabalho realizado em solo pelos bombeiros e brigadistas. "Quem apaga mesmo o incêndio é a equipe de terra. A vantagem do avião é chegar rápido a locais inacessíveis, controlando o fogo antes do incêndio se espalhar e causar estragos maiores", acrescenta Fioravanti. "A partir de um certo ponto, quando a floresta pega fogo mesmo, nem adianta entrar: é arriscado e inútil, por isso o alerta precoce e a agilidade dos voluntários são importantes". Segundo ele, os restos dos recipientes de água seriam recolhidos pela equipe de terra, após o rescaldo do fogo.Contatos: Combfogo: (11) 55613860 www.combfogo.orgMatutu: www.matutu.org

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.