Pioneiro da clonagem terapêutica renuncia sob acusações

O professor sul-coreano Hwang Woo-suk, pioneiro da clonagem e visto como herói em seu país, renunciou a todos os seus cargos oficiais e pediu desculpas publicamente por ter usado óvulos humanos de dois membros de sua equipe em suas pesquisas.Hwang Woo-suk era presidente de uma organização mundial para o estudo das células-tronco, aberta neste mês em Seul.A comunidade médica internacional já havia alertado contra o uso de óvulos de pesquisadoras, que poderiam estar vulneráveis à pressão.Mas o Ministério da Saúde da Coréia do Sul afirma que o professor não é culpado de nenhum crime moral ou legal, já que os óvulos foram doados voluntariamente, sem o conhecimento de Hwang Woo-suk, e antes de a Coréia do Sul introduzir a lei de bioética em janeiro passado. Outras mulheres que doaram seus óvulos receberam pagamento para cobrir despesas, sem o conhecimento do professor. De acordo com a nova lei, os pagamentos são proibidos e os cientistas não podem usar óvulos doados por membros de sua equipe para as pesquisas.O professor Hwang conquistou fama ao clonar os primeiros embriões humanos do mundo e extrair células-tronco deles para pesquisas. Ele e sua equipe foram os primeiros a clonar um cão, o que foi classificado pela revista americana Time como a "invenção" mais impressionante do ano.O escândalo veio à tona quando Gerald Schatten, que trabalhava com o professor Hwang, suspendeu sua cooperação afirmando estar preocupado com o modo como o grupo procurava óvulos humanos.Quando a revista médica Nature pressionou Hwang sobre a origem dos óvulos, ele negou que tivessem sido doados por suas próprias pesquisadoras. Mas em uma entrevista coletiva, nesta quinta-feira, ele admitiu não ter contado a verdade.   leia mais sobre células-tronco

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.