Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Piscar ´desliga´ partes do cérebro, diz estudo

Cientistas descobriram que partes do cérebro são temporariamente "desligadas" quando a pessoa pisca os olhos. Segundo um artigo publicado na revista científica Current Biology, a equipe do University College, em Londres, descobriu que o cérebro desliga partes do sistema visual a cada piscada.Os pesquisadores explicaram que este fato mostraria porque as pessoas não notam que estão piscando os olhos e têm a impressão de uma "visão ininterrupta do mundo". Uma piscada dura entre 100 e 150 milésimos de segundo. Automaticamente, um pessoa pisca entre dez e 15 vezes para hidratar e oxigenar a córnea.Durante a piscada não há transmissão de informações visuais e não há luz. Mas as pessoas não têm consciência de que tudo ficou escuro momentaneamente. A pesquisa usou um dispositivo criado especialmente para avaliar os efeitos no cérebro. Feito com um cabo de fibra ótica, ele foi colocado na boca dos voluntários que estavam usando óculos à prova de luz e foram submetidos a um exame de ressonância magnética do cérebro.A fibra ótica foi acesa no céu da boca dos voluntários e jogou luz no globo ocular de cada um deles, usando uma luz vermelha, o que fez com que a luz batendo na retina dos voluntários fosse constante mesmo quando eles piscavam. Os cientistas foram capazes de medir os efeitos do ato de piscar na atividade cerebral, independente do fechamento momentâneo dos olhos.Com isso, os pesquisadores descobriram que a piscada reprime a atividade cerebral no córtex visual e outras áreas do cérebro, que são normalmente ativadas quando a pessoa fica consciente de eventos visuais ou objetos."Nós notaríamos imediatamente se o mundo ficasse escuro repentinamente, especialmente se isso acontecesse em intervalos de alguns segundos. Mas nós raramente notamos quando piscamos, mesmo que este ato cause uma redução similar na quantidade de luz entrando no olho, e isto nos dá uma visão de mundo ininterrupta", disse Davina Bristow, do Instituto de Neurologia do University College, que liderou a pesquisa.

Agencia Estado,

26 de julho de 2005 | 08h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.